Jornal do Commercio
Qual a sua opinião?

Enquete Conexão: A liberação do porte de armas é uma solução contra a criminalidade?

De acordo com levantamento da Secretaria de Defesa Social (SDS), 34.352 vítimas foram mortas por arma de fogo

Publicado em 26/03/2018, às 10h40

Já em 2017, dez anos depois, o número subiu para 5.427 / Foto: EBC
Já em 2017, dez anos depois, o número subiu para 5.427
Foto: EBC
JC Online

Desde a criação do programa de segurança Pacto pela Vida, em 2007, quase 44 mil pessoas foram assassinadas em Pernambuco. De acordo com levantamento da Secretaria de Defesa Social (SDS), 34.352 vítimas foram mortas por arma de fogo.

Isso representa 78,4% do total de homicídios registrados nos últimos 11 anos. Outro detalhe que chama a atenção: 5.555 pessoas foram assassinadas com armas brancas (em sua maioria, algum tipo de faca). Já 3.896 mortes foram provocadas por outros objetos. Segundo a SDS, 4.591 pessoas foram mortas em 2007.



Já em 2017, dez anos depois, o número subiu para 5.427. Um aumento de 18,2%. Consequentemente, a estatística de homicídios por arma de fogo também foi crescente. Saltou de 3.804 para 4.535.

Diante desses números, o JC quer saber: será mesmo que a liberação do porte de arma – como parte da população brasileira deseja – é a melhor solução para frear a violência?

O que você acha? 

 

  


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Ricardo Drumond,29/03/2018

Na materia que da inicio a esta enquete fala que 34.352 pessoas foram vitimas de armas de fogo, agora esse numero não vem esclarecendo em que situação estas pessoas foram vitimas, tais como a maioria foram vitimas de bandidos armados, ou seja se o cidadão de bem tivesse o direito do porte esse numero seria o mesmo porque em vez do cidadão de bem apenas ter um opção que seria morrer, ele teria outra chance de defender a própria vida, que hoje em dia não temos essa chance, o cidadão de bem só morre, é claro que não se deve fazer que o EUA, liberar arma para qualquer um sem ao menos checar se a pessoa tem a capacidade mental de portar uma.

Por Flaminio Vargas,28/03/2018

Será possível que ainda existem dúvidas sobre a vontade / necessidade da população de bem no que diz respeito a este assunto ? Quantas enquetes ainda serão necessárias ?! Pelo amor de Deus, vamos direto à efetiva mudança. Chega de mi mi mi ...

Por Vítor Menezes de Mattos,27/03/2018

Perguntinha equivocada em. O povo que votou sim de certa forma queria votar Não pq quer ter armas, mas não como SOLUÇÃO PRA A CRIMINALIDADE! A resposta é SIM de 95% das pessoas, pq querem ter essa liberdade de ter armas de volta, mas ninguém quer isso como solução pra a criminalidade. Pegando de outro comentário aqui, é como perguntar se "liberação de casacos resolve o problema do frio em países frios". NÃO, a pessoa que quer casacos não quer acabar com o frio, só se proteger dele, mesmo com a arma e o crime, a arma sendo o casaco e o crime sendo o frio.

Por Rodrigo Facco,27/03/2018

Exigências para comprar e portar armas e registro JAMAIS deveriam existir, só servem para o governo ter controle sobre a população.

Por Alexandre Veira,27/03/2018

você usa casaco para se proteger do frio, ou para combater o inverno? se casacos não combatem invernos, proibir cidadãos de possuírem e usarem casacos faz algum sentido?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM