Jornal do Commercio
Editorial

Editorial: A iniciativa do ministro Dias Toffoli sobre foro privilegiado

O ministro Toffoli dá razão, por caminho diferente, aos recados do colega Gilmar Mendes e do senador Roberto Jucá (PMDB), que fizeram retoques à restrição apenas para deputados e senadores

Publicado em 15/05/2018, às 07h18

Hoje, de acordo com estudo do Senado, temos 38.431 autoridades federais, estaduais e distritais com prerrogativa de foro / Foto: Agência Brasil
Hoje, de acordo com estudo do Senado, temos 38.431 autoridades federais, estaduais e distritais com prerrogativa de foro
Foto: Agência Brasil
JC Online

Na sessão do STF que aprovou a restrição do foro privilegiado para deputados federais e senadores, o ministro Dias Toffoli apresentou voto no sentido de que a restrição se estendesse a todas as autoridades e votou pela derrubada das prerrogativas para agentes estaduais definidas nas Constituições dos Estados. Foi voto vencido, mas agora volta à carga propondo que o Supremo estenda a restrição a todas as autoridades, com base em uma súmula vinculante. O ministro Toffoli dá razão, por caminho diferente, aos recados do colega Gilmar Mendes e do senador Roberto Jucá (PMDB), que fizeram retoques à restrição apenas para deputados e senadores: para Mendes – como já foi dito nesta seção – essas restrições na prática se aplicariam até para o comandante do Exército diante de uma notificação entregue por um oficial de Justiça de Cabrobó, enquanto a interpretação de Jucá era chula e reduzida a uma expressão: “Se acabar o foro, é todo mundo. Suruba é suruba”.

O ministro Toffoli fundamenta sua pretensão em uma súmula vinculante “para eliminar controvérsias que possam acarretar insegurança jurídica”. Numa linguagem depurada do juridiquês, pode-se afirmar que a fórmula proposta por Toffoli fica mais próxima do dogma republicano de que fala o ministro Celso de Melo ao encaminhar para a primeira instância da Justiça de São Paulo um inquérito de assédio sexual contra o deputado federal Francisco Everardo, vulgo Tiririca. O tal dogma é o que diz que “todos são iguais perante a lei”, o que significa dizer que se for ampliada a restrição do foro para os três poderes mais o “quarto poder”, o Ministério Público, um hipotético assédio sexual cometido por um ministro de Estado, um desembargador, um procurador da República ou um comandante militar terá o mesmo tratamento dado a Tiririca, isto é, vai para a primeira instância.



Ideia

Essa postulação do ministro Toffoli, decorrido tão pouco tempo da decisão restritiva a parlamentares federais, dá uma ideia precisa da delicadeza do tema, que vem da Carta Política do Império, de 1824 – como relata o ministro Celso de Melo – onde foram consagradas apenas quatro hipóteses de prerrogativa de foro: “Conhecer dos delictos e erros do Officio que commetterem os seus ministros, os das Relações, os Empregados no Corpo Diplomatico, e os Presidentes das Provincias”. Hoje, de acordo com estudo do Senado, temos 38.431 autoridades federais, estaduais e distritais com prerrogativa de foro, o que, como diz o ministro Toffoli, “evidencia o potencial de conflitos de competência que podem se estabelecer entre as diversas instâncias do poder  judiciário”.

Em um País atormentado pela conjuntura política e econômica, encarar o STF como uma Torre de Babel jurídica é mais um ingrediente destinado a agravar essa conjuntura, mas se examinada com a imparcialidade que o espírito republicano recomenda a iniciativa de Toffoli tem o mérito de atenuar um pouco a carga de criminalização com que vem sendo tratada a atividade política, mais precisamente o corpo parlamentar.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM