Jornal do Commercio
editorial

Editorial: Os desafios enfrentados na Palestina

O aumento do número de palestinos mortos pelos israelenses nas últimas semanas voltou a chamar a atenção do mundo para o frágil equilíbrio entre dois povos que têm, na base religiosa, seus alicerces

Publicado em 16/05/2018, às 07h07

Na última segunda-feira, pelo menos 58 manifestantes palestinos morreram em decorrência da ação de tropas de Israel, na Faixa de Gaza / Foto: ARIS MESSINIS / AFP
Na última segunda-feira, pelo menos 58 manifestantes palestinos morreram em decorrência da ação de tropas de Israel, na Faixa de Gaza
Foto: ARIS MESSINIS / AFP
JC Online

O aumento do número de palestinos mortos pelos israelenses nas últimas semanas voltou a chamar a atenção do mundo para o frágil equilíbrio entre dois povos que têm, na base religiosa, seus alicerces – mas não conseguem superar os desafios da convivência, apesar da proximidade e da interação gerada pelo compartilhamento de território sagrado. Na última segunda-feira, pelo menos 58 manifestantes palestinos morreram em decorrência da ação de tropas de Israel, na Faixa de Gaza. E dos cerca de 2.700 feridos, mais da metade foram atingidos por armas de fogo disparadas pelo lado israelense. Desde 30 de março, quando teve início a série de manifestações semanais dos palestinos, chamada de Grande Marcha de Retorno, 104 manifestantes foram assassinados e mais de 12 mil foram feridos.

A reação da comunidade internacional, mais uma vez, solicitou ao governo de Israel menos violência em sua fronteira. A França apelou às autoridades israelenses por “discernimento e contenção no uso da força”. A Grã Bretanha pediu “calma e moderação para evitar ações destrutivas aos esforços de paz” na região. A Alemanha recorreu à ideia de justiça universal: “O direito a um protesto pacífico também deve se aplicar a Gaza. Israel tem o direito de se defender, mas o princípio da proporcionalidade se aplica”, reclamou o portavoz do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, em menção ao poderio bélico de Israel em comparação com os palestinos.

Transferência 

A manifestação da segunda-feira foi provocada por causa da transferência da Embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém. A transferência foi comemorada pelos israelenses como o reconhecimento de Jerusalém como capital dos judeus, contrariando a Palestina. Estima-se que mais de 40 mil pessoas foram às ruas protestar, contra a transferência e contra o bloqueio israelense que faz com que os moradores de Gaza fiquem cada vez mais isolados e em dificuldades estruturais – energia elétrica, por exemplo, só está disponível por quatro horas diárias. O isolamento, por sua vez, contribui para enervar os ânimos de uma população pressionada e à beira do colapso.



Para a União Europeia, a mudança de embaixadas que se encontram em Tel Aviv deveria se dar apenas quando a situação de conflito na Terra Santa, em Jerusalém, fosse resolvida. O alto comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos condenou os ataques de Israel a Gaza, assim como a Anistia Internacional e a organização Human Right Watch. Mais uma vez, o que se postula para uma área em que a tolerância não deveria sequer contar com fronteira é que o bom senso prevaleça.

Os confrontos e mortes ao redor de Jerusalém fazem parte de um problema que vai muito além da questão palestina. A decisão de Donald Trump de trocar o endereço da embaixada norte-americana obteve a reação esperada, acelerando a deterioração do processo de paz no Oriente Médio, com possíveis repercussões de intolerância, animosidade e conflitos em outras fronteiras.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM