Jornal do Commercio
editorial jc

Editorial: Ser presidente é selecionar prioridades urgentes dentro de limitações

Em lugares onde quase tudo falta, do saneamento básico à infraestrutura logística, governar é selecionar prioridades urgentes, dentro de cenários cercados por limitações

Publicado em 15/06/2018, às 07h13

Essa é a realidade que será encontrada pelo próximo presidente da República, a ser eleito daqui a alguns meses / Foto: Arte JC
Essa é a realidade que será encontrada pelo próximo presidente da República, a ser eleito daqui a alguns meses
Foto: Arte JC
JC Online

Em condições favoráveis, com recursos para custear os serviços públicos e investir no que precisa ser criado ou melhorado, governar já não é uma missão fácil. Implica em fazer escolhas o tempo todo, definindo prioridades e excluindo demandas, muitas vezes, consideradas essenciais pela população. Em lugares onde quase tudo falta, do saneamento básico à infraestrutura logística, governar é selecionar prioridades urgentes, dentro de cenários cercados por limitações. Essa é a realidade que será encontrada pelo próximo presidente da República, a ser eleito daqui a alguns meses.

Mas não é apenas isso. O problema ganha contornos dramáticos quando se leva em consideração o panorama fiscal do País. A dívida que se reparte pela Nação, embora pareça, no discurso populista de oposição ou no poder, que o cidadão comum não tem nada a ver com os gastos acumulados na esfera governamental. Acontece que não é um governo que fica no vermelho – e sim, o Brasil inteiro, cuja economia se defronta com a adversidade de um Estado pendurado em dívidas exorbitantes. O Tribunal de Contas da União (TCU) acaba de aprovar as contas do governo Michel Temer em 2017, com dezenas de ressalvas e recomendações, e um aviso: o País pode parar, nos próximos anos, se não interromper a descida no abismo fiscal.

O TCU advertiu que as políticas de incentivo que abrem mão de receitas devem ser vistas como temerárias. As renúncias fiscais no governo Temer não respeitaram a Lei de Responsabilidade Fiscal, sem prever impactos orçamentários nem compensações à receita perdida. Com o aumento das despesas obrigatórias e a elevação do déficit, o teto instituído para os gastos púbicos, bem como a chamada regra de ouro, que impede a emissão de títulos de dívida pública para o pagamento de despesas correntes, como salários, poderão ser desrespeitados – ou continuar a sê-lo: no ano que vem, a regra de ouro deve ter um buraco de R$ 260 bilhões.



Sem cumprir a regra de ouro, o presidente da República fica suscetível a ser acusado de crime de responsabilidade, e sofrer impeachment.

Crescimento

Se for mantido o ritmo de crescimento dos gastos obrigatórios, como salários e aposentadorias, os gastos não obrigatórios terão que ser cortados totalmente até 2024, para a lei do teto vir a ser observada. Na prática, cessam investimentos públicos até que a Lei de Responsabilidade Fiscal seja cumprida. O próximo presidente, nessa ótica, não teria muito o que propor. E quase não teria recursos para pagar outra coisa a não ser salários de servidores e aposentadorias e pensões. Ou seja, um desabastecimento de Estado nos aguarda, caso não encaremos o problema fiscal com a seriedade merecida.

No ano passado, a renúncia de receitas foi quase três vezes o valor do déficit fiscal do governo federal. O descumprimento da responsabilidade fiscal é grave porque joga para o futuro uma conta que terá que ser paga, à revelia dos benefícios concedidos e da demagogia tomada como política econômica.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM