Jornal do Commercio
Artigo
ECONOMIA

Reforma da Previdência é inevitável e inadiável

A discussão deve eliminar retórica populista estéril que divide debate entre os que cometem crueldades com os pobres e os que têm sede de punir privilegiados

Publicado em 05/05/2019, às 08h23

A reforma é complexa e afeta a vida de gerações / Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
A reforma é complexa e afeta a vida de gerações
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Gustavo Krause
Ex-ministro e ex-governador

Comissão Especial instalada: agora, ou reforma, ou reforma a Previdência. O Brasil, quase parado, espera sinais de rumos para caminhar. Que reforma? Com a palavra, o Congresso. É hora de exercer plenamente a responsabilidade política delegada por nós, eleitores.

A reforma é complexa e afeta a vida de gerações. A discussão deve eliminar a retórica populista estéril que divide o debate entre os que cometem crueldades com os pobres e os que têm sede de punir privilegiados. Que prevaleça a racionalidade na busca de soluções equilibradas entre sensibilidade social e realismo fiscal.

Ponto de partida: a reforma é inevitável e inadiável. Basta atentar para as variáveis-chave da estrutura e da dinâmica da revolução demográfica. A humanidade levou 1900 anos para atingir 1,5 bilhões de habitantes; de 1960 a 2011, passou de 3 para 7 bilhões e serão 11,2 bilhões em 2100.

Nossa transição demográfica expõe evidências que influenciam a questão previdenciária: expectativa de vida ao nascer, em 2016, 75,8 anos (48 em 1960); expectativa de sobrevida aos 65, 18,5 anos (Tábua de Mortalidade – IBGE); taxa de fecundidade passou de 6,1 filhos (1950-1955) para 1,7 (2015-2020).



A velocidade das transformações no Brasil afeta a organização social, políticas públicas e parâmetros da reforma. Mantidas ou atenuadas as tendências, significa avalizar a insustentabilidade do País, cada vez mais velho e pobre. Não é por outra razão que, apenas, 13 países no mundo adotam a aposentadoria por tempo de contribuição: Síria, Irã, Iraque, Egito, Sérvia, Equador...

Portanto, a adoção da idade mínima é um símbolo e um parâmetro intocável da reforma. Aliás, o primeiro marco da Previdência brasileira – Lei Eloy Chaves (1923) – estabeleceu a idade mínima de 50 anos para aposentadoria; em 1948, a Lei Orgânica da Previdência Social ampliou a idade mínima, homens e mulheres, para 55 anos; em 1962, governo João Goulart, a lei n. 4130/08 suprimiu a idade mínima.

Esta preciosidade histórica que se renova à luz das circunstâncias atuais fortalece a ética intergeracional. É tão estratégico o desafio que não há espaço para espertezas imediatistas frente ao grave custo político das decisões.

Se a reforma não vingar, a derrota não será órfã; a paternidade e os prejuízos recairão sobre nós, brasileiros vivos e as grandes vítimas do desastre político, infelizmente, serão os brasileiros que estão por nascer.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM