Jornal do Commercio
Editorial
DESEMPREGO

Editorial: A escalada do desalento no Brasil

Segundo o IBGE, um em cada quatro desempregados no Brasil procura emprego há mais de dois anos

Publicado em 19/08/2019, às 07h27

Dados do IBGE mostram o Nordeste como a região do desalento / Foto: Agência Brasil
Dados do IBGE mostram o Nordeste como a região do desalento
Foto: Agência Brasil
JC Online

A história se repete como tragédia e com uma cara fantasmagórica: o desemprego em alta escala, com suas filas que parecem intermináveis e sempre escandalosas quando feito o cotejo entre a quantidade de candidatos e candidatas e o número de vagas disponíveis. A proporção às vezes chega a uma vaga por mil candidatos, o que é um indicador insustentável em qualquer cenário econômico. Como é o caso agora, entre nós, quando o IBGE acrescenta um ingrediente que não chega a ser novo mas é sempre impactante: um em cada quatro desempregados no Brasil procura emprego há mais de dois anos.

Fica até difícil a tentativa de explicar e entender as condições de pessoas procurando um meio de sobrevivência durante dois anos ou mais, o que isso representa para quem procura e para quem delas depende para se alimentar, se vestir, usar transporte, estudar. É uma equação sem resolução e aí está a gravidade de um problema que transcende os números, tem um rosto e é tão assombroso quanto o que é mostrado nas grandes filas: o desalento como expressão dos que procuram, se oferecem, esperam penosamente, até chegar ao ponto em que não há mais o que esperar.



No momento em que se caracteriza essa condição de desalento, carregada de sentimentos negativos e de conotação sociológica, cabe perguntar o que resta: o fim da esperança ou o começo do rancor? Qualquer que seja a resposta, ficará pendente uma relação humana gravíssima e potencialmente explosiva. E é importante e inevitável lembrar que nossa Região, o Nordeste, parece sempre um território experimental para traçar linhas, gráficos, números que expressam o lado mais delicado da nação, a dificuldade da sobrevivência num quadro econômico em que não há produção suficiente para atrair mais mão de obra, nem riqueza distribuída proporcionalmente às carências de cada Estado.

O retrato da tragédia

Tempo houve em que essa desproporção era suprida por políticas públicas compensatórias, como foi por algum tempo com o Norte e Nordeste e seus regimes tributários de incentivos fiscais diferenciados trazendo para as duas regiões mais investimentos e mais empregos, sustando por algum tempo o fenômeno demográfico do êxodo para o Sudeste. Foi assim, não é mais, e o resultado é visível nos indicadores do IBGE, que desenham um mapa de dificuldades, com a repetição de um velho refrão, mostrando o Nordeste como a região do desalento: tem quase 3 milhões de pessoas nessa situação. 2,919 milhões de habitantes da região não procuravam emprego quando foi feita a pesquisa, por acreditar que não conseguiriam uma vaga. Eis o retrato da tragédia.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM