Jornal do Commercio
Editorial
CHOQUE DE GESTÃO

Editorial: Custo do funcionalismo público na mira da reforma administrativa

O Brasil faz tempo que espera um choque de gestão para melhorar o serviço público

Publicado em 11/10/2019, às 08h23

De acordo com dados do Banco Mundial, o gasto com o funcionalismo consumiu R$ 725 bilhões com a folha de pagamento / Arte: Thiago Lucas/JC
De acordo com dados do Banco Mundial, o gasto com o funcionalismo consumiu R$ 725 bilhões com a folha de pagamento
Arte: Thiago Lucas/JC
JC Online

O aumento do custo dos servidores para o Estado brasileiro se soma ao custo do Estado para o cidadão, que paga uma alta carga tributária sem receber de volta serviços e investimentos proporcionais às demandas do País. A reforma administrativa em formulação – com décadas de atraso – vai levar em conta esse custo, bem como as idiossincrasias dos burocratas, alguns dos quais não se envergonham de agir como proprietários do espaço público, à imagem e semelhança de políticos e servidores de elevado escalão que se esquecem da natureza temporária dos postos que ocupam. O Brasil faz tempo que espera um choque de gestão com dois objetivos essenciais: eliminar o desperdício de recursos com os agentes do atraso e despertar no corpo funcional o espírito público focado nos fins da prestação de serviços, não nos processos intermináveis que fazem o nosso gigante estatal andar como um sonâmbulo.

De acordo com dados do Banco Mundial, entre os anos de 2007 e 2017, o gasto com o funcionalismo subiu quase 50%, alcançando, no último ano analisado, a cifra de R$ 725 bilhões consumidos com a folha de pagamento. Algo em torno de 10% de todo o Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Em comparação, vale mencionar que o déficit previsto pelo governo federal para o ano que vem é de R$ 124 bilhões – e já é considerado uma exorbitância, pelo dinheiro que falta para investimentos em infraestrutura e melhorias no atendimento básico de saúde, educação e segurança.



Quando o exame se expande para as últimas duas décadas, os números mostram que a quantidade de indivíduos pendurados na máquina estatal aumentou em mais de 82%, passando de 6,2 milhões para 11,5 milhões de servidores. No mesmo período, a população cresceu em 30%. Outro dado interessante diz respeito aos valores salariais para funções similares no serviço público e na iniciativa privada. No Brasil, o servidor público ganha, em média, quase o dobro de um trabalhador que desempenhe a mesma atividade numa empresa. Difícil é encontrar um brasileiro que aponte a melhoria da qualidade dos serviços prestados pelo Estado, apesar do inchaço observado, e do bom pagamento pelo trabalho realizado. Os salários têm recebido aumentos além da inflação, e os gastos relativos a esse item suplantam o que se gasta em outros países latino-americanos. Não é por falta de funcionalismo que o serviço público, aqui, em larga medida, peca em eficiência.

PREOCUPAÇÃO

Até 2030, no horizonte de apenas uma década, cerca de 40% dessa massa de servidores poderá se aposentar. É com tal perspectiva que a reforma administrativa em preparo deve se preocupar. Além disso, aperfeiçoar os mecanismos de gestão para inibir ataques ao erário, como se viu justamente nos anos em que o Estado mais cresceu, com a corrupção se aproveitando, sem cerimônia, dos aparelhamentos políticos que pouco têm contribuído para o benefício coletivo.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM