Jornal do Commercio
Editorial
FOME E POBREZA

Editorial: Josué de Castro denunciava a extrema pobreza bem antes do Nobel

As informações que chocaram os integrantes do Prêmio Nobel em 2019 acompanharam o pernambucano por toda vida

Publicado em 16/10/2019, às 07h29

A atualidade do tema que levou Josué de Castro (centro) a escrever mais de 30 livros mostra a recorrência dos males denunciados no passado / Foto: Fundação Joaquim Nabuco/Divulgação
A atualidade do tema que levou Josué de Castro (centro) a escrever mais de 30 livros mostra a recorrência dos males denunciados no passado
Foto: Fundação Joaquim Nabuco/Divulgação
JC Online

O júri de Estocolmo que escolheu três americanos para o Prêmio Nobel de Economia ilustra a escolha com números escandalosos: mais 700 milhões de pessoas sobrevivem com rendas “extremamente baixas” e a cada ano cerca de 5 milhões de crianças menores de 5 anos morrem por males da desnutrição, que poderiam ser prevenidas ou curadas com tratamentos que não são caros, o que faz os juízes do prêmio classificarem o problema como um dos mais urgentes da humanidade. Nada que o recifense Josué de Castro desconhecesse 70 anos atrás. Pelo contrário, essas informações que chocam os integrantes do Prêmio Nobel em 2019 acompanharam o pernambucano por toda vida e por isso ganhou o reconhecimento do inteiro, com prêmios e honrarias, entre os quais o Prêmio Franklin D. Roosevelt, da Academia de Ciências Políticas dos Estados Unidos, a Grande Medalha da Cidade de Paris, o Prêmio Internacional da Paz do Conselho Mundial da Paz, e Oficial da Legião de Honra da França.

A atualidade do tema que levou Josué de Castro a escrever mais de 30 livros – entre os quais Geografia da Fome e Geopolítica da Fome – mostra a recorrência dos males denunciados no passado, na geração de profundas desigualdades que persistem, recebem dos economistas de hoje o alerta de um dos mais urgentes problemas da humanidade. Um problema histórico e fartamente documentado e denunciado muitos anos atrás através de obras como “O livro negro da fome”, “Homens e Caranguejos”, “A Explosão Demográfica e a Fome no Mundo”, “El Hambre – Problema Universal”, ou “Fome: um Tema Proibido”, entre outras dezenas de obras de Josué de Castro. Fica a dúvida se o Nobel deste ano será poderoso bastante para mudar esse relato, produzindo resultados diferentes, quando a desigualdade vira marca agravada de um mundo globalizado.



O que afirma o comitê com a escolha dos economistas dos Estados Unidos é que eles, e ela, a mais jovem ganhadora de um Prêmio Nobel, “mostraram como o problema da pobreza global pode ser resolvido com a divisão de perguntas em uma série menor e mais precisa em níveis individual ou de grupo. Em apenas 20 anos, essa abordagem reformulou completamente a pesquisa no campo conhecido como economia do desenvolvimento”. Essa é uma perspectiva ilusória de que trabalhos acadêmicos serão suficientes para corrigir uma das mais graves deformações da humanidade, o aprofundamento das desigualdades.

Geopolítica da Fome

Essa perspectiva deveria nos levar à Geopolítica da Fome, nestes dias em que cientistas políticos trabalham os mais diversos aspectos da geopolítica que persiste com os mesmos padrões de dominação dos anos 60, quando lutar contra a desigualdade e a fome no mundo tinha como pressuposto combater o colonialismo, o furor hegemônico de nações mais desenvolvidas que sempre estiveram fundadas sobre as menos desenvolvidas, mais pobres e com maior número de famintos. Assim no chamado “terceiro mundo” algumas décadas atrás, assim hoje, não apenas em um ou alguns países, mas em continentes inteiros.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM