Jornal do Commercio
Editorial
ESSEX

Editorial: Caminhão com chineses mortos no Reino Unido é cena de horror

O caso considerado mais chocante que a ficção, tirando até mesmo o Brexit do primeiro plano das atenções no Reino Unido

Publicado em 25/10/2019, às 07h39

A descoberta dos 39 corpos deu início a uma das maiores investigações de assassinato do Reino Unido / Foto: Ben STANSALL / AFP
A descoberta dos 39 corpos deu início a uma das maiores investigações de assassinato do Reino Unido
Foto: Ben STANSALL / AFP
JC Online

A descoberta de 39 chineses mortos em um caminhão frigorífico nesta semana em Essex transformou-se em uma cena de horror mais chocante que a ficção ou o cinema de terror, tirando até mesmo o Brexit do primeiro plano das atenções no Reino Unido, a começar pelo primeiro-ministro Boris Johnson, que se declarou “horrorizado”. No Parlamento, o deputado independente Nick Boles fez ecoar um recado dado através das redes sociais: “De vez em quando, algo verdadeiramente assustador rompe o nevoeiro do Brexit e nos lembra quantas questões mais importantes estão sendo negligenciadas ao girarmos as rodas neste atoleiro”.

Essa descoberta deu início a uma das maiores investigações de assassinato do Reino Unido. “Este é um mundo criminoso internacional, onde muitas gangues estão ganhando muito dinheiro até os Estados agirem coletivamente para impedir que isso continue”, disse no Parlamento a deputada conservadora Jackie Doyle-Price. Para a Anistia Internacional, essas mortes são “uma tragédia anunciada”. Priti Patel, secretária do Interior, descreveu como um incidente verdadeiramente chocante: “O que vimos basicamente através das ações desses traficantes é o pior da humanidade e é certo que usemos todos os aspectos da lei para garantir que a justiça seja cumprida e os autores sejam processados”.



O secretário-geral da ONU, António Guterres, espera que os responsáveis sejam encontrados e levados à justiça, o que dá ideia da comoção da descoberta e da repercussão complexa. A polícia inicialmente sugeriu que o caminhão poderia ser da Bulgária, depois disse que os policiais acreditavam que ele entrou no Reino Unido a partir da Bélgica. Um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Bulgária disse que o caminhão foi registrado no país sob o nome de uma empresa de propriedade de um cidadão irlandês. Não ficou claro quando as vítimas foram colocadas no contêiner ou se isso aconteceu na Bélgica, disse um porta-voz belga. Também entra nesse xadrez a constatação de que muitos migrantes tentaram entrar no Reino Unido escondidos em caminhões ou em embarcações que atravessam o Canal da Mancha e que, diante do reforço da vigilância na costa britânica, a Irlanda se tornou o país de trânsito nas rotas dos traficantes de pessoas.

Tragédias semelhantes

Essa nova tragédia reacende a memória de outras semelhantes, como a dos migrantes encontrados mortos por asfixia no compartimento fechado de um caminhão na Áustria. Procedentes da Síria, Iraque e Afeganistão, as vítimas eram transportadas da Hungria para a Alemanha por um grupo de traficantes que os embarcou perto da fronteira com a Sérvia. Com a transformação do Mediterrâneo em cemitério de refugiados, além da dramática condição dos migrantes da América Central para os EUA, é possível desenhar um mapa reunindo desesperados que apagam fronteiras nacionais na busca de melhores condições de vida ou, mesmo, apenas de sobrevivência.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM