Jornal do Commercio
Notícia
DOING BUSINESS

Editorial: Um melhor país para se fazer negócios é meta do Brasil

O presidente Jair Bolsonaro intenciona levar o Brasil à lista de 50 melhores países para se fazer negócios'; atualmente, o País se encontra no 124ª lugar

Publicado em 28/10/2019, às 07h45

Entre as providências promissoras para o ambiente de negócios está a aprovação da reforma tributária pelo Congresso / Foto: Pixabay
Entre as providências promissoras para o ambiente de negócios está a aprovação da reforma tributária pelo Congresso
Foto: Pixabay
JC Online

Levar o Brasil a uma posição entre os 50 melhores países para se fazer negócios é uma meta difícil, mas o presidente Jair Bolsonaro mencionou a intenção de fazê-lo até o encerramento do primeiro mandato, em 2022. Atualmente o País se encontra no 124ª lugar, no ranking “Doing Business”, formulado pelo Banco Mundial. O emaranhado de normas, a conjuntura adversa e a sobreposição de crises políticas que contaminam a economia contribuem para o resultado, cuja divulgação afasta ainda mais os investidores, que vão em busca de locais mais atrativos.

De acordo com o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do governo federal, Carlos da Costa, a meta é possível de ser cumprida pelo Brasil, porque a Índia galgou 60 posições em três anos. A comparação é otimista, mas não deixa de colocar a viabilidade do objetivo do Planalto. Para o secretário, algumas medidas tomadas por Bolsonaro apontam nesta direção: a revisão da lei das falências, o novo marco para a recuperação judicial de pequenas empresas, e a agilização dos processos de abertura de empresas e de importação de produtos.

Reforma tributária

Entre as providências promissoras para o ambiente de negócios está a aprovação da reforma tributária pelo Congresso. A ressalva a ser feita é que a reforma tributária não deve se tornar realidade antes de 2021, o que deixaria pouco tempo para o efeito esperado na melhoria do ambiente de negócios.



Um lembrete da importância do regime tributário para o crescimento econômico. Das 190 economias avaliadas pelo Doing Business, o Brasil está na 184ª posição no indicador relativo ao pagamento de impostos – corroborando a necessidade de uma reforma nesse tema. Aqui, um empresário dedica 1500 horas por ano para lidar com a burocracia tributária, cinco vezes mais tempo que a média na América Latina, e nove vezes a da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A desburocratização dos processos, a geração de oportunidades de trabalho e o investimento em capacitação e educação são estratégias adotadas em vários países. Nem a bem-vinda lei da liberdade econômica, nem a reforma da previdência produziram ainda os efeitos positivos que têm tudo para arejar o ambiente de negócios brasileiro. Se no ranking do ano que vem a posição do País tiver melhorado, o empreendedorismo e a geração de renda poderão indicar os rumos de um novo ciclo de crescimento. É o que todos nós esperamos.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM