Jornal do Commercio
Editorial
'CÉU DE BRIGADEIRO'

Editorial: Governo quer aumentar número de passageiros na aviação até 2025

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, dá indicadores para atingir essa meta, como atrair companhias aéreas de baixo custo

Publicado em 31/10/2019, às 08h40

O governo brasileiro tem implementado iniciativas destinadas estimular a aviação civil, tornando-a mais competitiva e com mais passageiros / Foto: Arnaldo Carvalho / JC Imagem
O governo brasileiro tem implementado iniciativas destinadas estimular a aviação civil, tornando-a mais competitiva e com mais passageiros
Foto: Arnaldo Carvalho / JC Imagem
JC Online

A figura de céu azul, sem nuvens, com o horizonte limpo à frente, apropriada para a mais alta patente da Aeronáutica, o brigadeiro, está sendo perseguida pelo governo brasileiro com iniciativas destinadas estimular a aviação civil, tornando-a mais competitiva e com mais passageiros. A meta é ampliar para 200 milhões o total de passageiros aptos a usarem o transporte aéreo até o ano de 2025. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, dá indicadores para atingir essa meta, como atrair companhias aéreas de baixo custo e, mais: “Estamos transferindo aeroportos para a iniciativa privada – serão 41 até 2022 – e vamos atingir 63 aeroportos concedidos. A gente está fazendo ainda diversos investimentos na aviação regional, dando mais conectividade ao País”.

Empresas aéreas de baixo custo e baixa tarifa já oferecem voos internacionais tendo como origem e destino o Brasil, mas ainda enfrentam dificuldades como o elevado preço do combustível de aviação e para isso o governo federal vem apresentando perspectivas de crescimento do mercado, para atraí-las.



Fórum

Os mais de 450 profissionais que participaram até terça-feira (29) do Fórum Alta Airline Leaders 2019, em Brasília, parecem sintonizados com os objetivos do governo, mas as conclusões do encontro mostram que ainda há muito céu a percorrer para fazer avançar a indústria da aviação brasileira. Vantagens e gargalos foram expostos como fundamentais para que o setor venha a decolar: o lado bom é que temos uma grande população, extensão territorial e presença notável no PIB da América Latina; as pedras no caminho são a judicialização - como a proteção do consumidor contra atrasos, cancelamentos de voos ou contra o extravio de bagagens – além da eficiência operacional, a falta de infraestrutura, os altos custos e a Lei dos Aeronautas.

Entre outras abordagens, ficou entendido durante o Fórum que para poder praticar uma tarifa baixa no Brasil é preciso ter custo baixo para operar e uma perspectiva positiva para poder investir, estabilidade e um ambiente melhor para investimentos e assim fazer a aviação se desenvolver. Ficou entendido que o setor precisa de muita eficiência com a qual é possível gerar o preço baixo que, por sua vez, chama o passageiro. Voz do governo no Fórum Alta Airline Leaders, o superintendente da Agência Nacional de Aviação Civil, Ricardo Catanant, celebrou as conquistas de 2019 – como o fim da franquia de bagagens – e concordou que alguns pontos precisam ser debatidos para que a aviação comercial volte aos níveis registrados no começo do século. “E dentre estes pontos estão a estabilidade das regras e uma maior segurança jurídica. Uma maior desregulação do setor traz novos modelos de negócios, melhores preços e uma maior concorrência”.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM