Jornal do Commercio
CABEÇA DE CHAPA

Oposição a Paulo Câmara promete nome do candidato 'em breve'

Grupo Pernambuco quer Mudar não deve aguardar definição do PT sobre candidatura própria ou aliança com PSB para definir sua tática

Publicado em 08/05/2018, às 17h24

Bruno Araújo ainda afirmou que o protagonismo no grupo está sendo dividido entre Mendonça e Armando / Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem
Bruno Araújo ainda afirmou que o protagonismo no grupo está sendo dividido entre Mendonça e Armando
Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem
Cássio Oliveira e Luisa Farias
politica@jc.com.br

Após o Diretório Estadual do PT adiar para junho o encontro que vai definir sobre candidatura própria ou aliança com o PSB, nomes do Pernambuco Quer Mudar afirmaram que o grupo de oposições ao governador Paulo Câmara deve lançar o nome que vai encabeçar a chapa majoritária logo, independentemente da definição petista.

“Claro que compreender como as peças do tabuleiro se organizam é um fator, mas estamos, primeiro, decidindo no conjunto o nome que tenha as melhores condições de fazer um enfrentamento que é duro. É o enfrentamento de uma estrutura que tem uma máquina governamental de doze anos em Pernambuco. Lógico que fragilizada, com compromissos não cumpridos, mas a decisão é de muita responsabilidade e devemos tomá-la nas próximas semanas”, afirmou o deputado federal Bruno Araújo (PSDB), ontem, durante a Assembleia Extraordinária da Amupe, no Recife.

Mais enfático, o senador Armando Monteiro (PTB), cotado para encabeçar a chapa, disparou: “Nosso prazo não é condicionado à posição do PT”. A declaração foi dada ao Blog de Jamildo. Armando rejeitou a ideia de postergar ainda mais a decisão e disse que a definição da chapa “não está longe”, mas evita fixar uma data, citando o adiamento ocorrido e a “cobrança” constante pela decisão.

“Nosso prazo não é condicionado à posição do PT”, disse Armando. Segundo ele, o grupo segue um “calendário político que amadurece” e que está aberto a “novos partidos que podem se integrar à frente”. O petebista lembrou que os partidos têm até julho, quando serão realizadas as convenções, para a definirem os candidatos.



O deputado federal Mendonça Filho (DEM) e o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB) compartilharam do sentimento de que não se pode mais esperar pela definição do palanque da Frente Popular. “Acredito que muito breve deveremos atender a essa expectativa que é da imprensa, das forças políticas, prefeitos, vereadores e todos que querem o nome anunciado o mais breve possível”, disse Bezerra Coelho na Amupe. Por telefone, Mendonça afirmou estar alinhado com entendimento de não esperar pela decisão do PT.

Enquanto o PT não se define, a vereadora Marília Arraes tenta consolidar sua candidatura ao Palácio do Campo das Princesas e a oposição pode se favorecer com isso, pois pode levar a disputa ao segundo turno. Nessa conjuntura, o melhor para os socialistas seria uma aliança logo no primeiro turno.

SITUAÇÃO DO MDB

Outra situação que atrasa o nome da oposição é a indefinição sobre o comando do MDB, que hoje está sendo disputado na Justiça pelo vice-governador de Pernambuco, Raul Henry, e Fernando Bezerra, que quer levar o partido para a oposição a Paulo Câmara. Na visão de Bruno Araújo, “não há necessidade de se aguardar”. “O fator principal é encontrar quem tiver disposição e que possa somar mais no conjunto de forças no Estado.”

Ontem, Bruno Araújo disse, abertamente, que o nome para encabeçar a chapa majoritária da oposição deve ser o de Armando Monteiro ou de Mendonça Filho. Questionado se estava tirando o nome de Fernando Bezerra de cena, Bruno preferiu dizer que “todos os nomes e partidos desse conjunto são alternativas, mas no momento a concentração é em Mendonça e Armando.”


Palavras-chave


Comentários

Por edi,09/05/2018

Reunião de envolvidos em corrupção, querendo tomar o poder, pena que não vai conseguir.... FORA TODOS ELES.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM