Jornal do Commercio
NOVA CONSTITUIÇÃO

Mourão defende Constituição sem eleitos

O candidato à vice-presidente de Bolsonaro defende uma nova Constituição aprovada em plebiscito pela população

Publicado em 14/09/2018, às 12h45

Mourão acrescentou que defende pessoalmente essa opinião, que não representaria as ideias de Bolsonaro / Foto: Reprodução/Internet
Mourão acrescentou que defende pessoalmente essa opinião, que não representaria as ideias de Bolsonaro
Foto: Reprodução/Internet
Estadão Conteúdo

O candidato à vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), General Mourão (PRTB), defendeu, nesta quinta-feira (13) que o Brasil precisa de uma nova Constituição elaborada por "notáveis" e aprovada em plebiscito pela população, sem a eleição de uma Assembleia Constituinte.

O candidato disse que a elaboração da última Constituição brasileira, de 1988, por parlamentares eleitos, "foi um erro", e defendeu que a nova Carta deveria ser criada por "grandes juristas e constitucionalistas". As declarações foram feitas em palestra no Instituto de Engenharia do Paraná, em Curitiba.

"Uma Constituição não precisa ser feita por eleitos pelo povo. Já tivemos vários tipos de Constituição que vigoraram sem ter passado pelo Congresso eleitos", defendendo que esse tipo de documento, sem a participação de eleitos, já esteve em vigor em períodos democráticos do país, não apenas durante a ditadura.

Isenção partidária

Mourão acrescentou que defende pessoalmente essa opinião, que não representaria as ideias de Bolsonaro. "Teria que partir para a reforma de todas as reformas. Teríamos que ter uma nova Constituição, mas, no momento, julgo que isso é uma coisa muito difícil de a gente conseguir. Então, a regra é clara: partir do mais fácil para o mais difícil."



Para o candidato, essa "nova" Constituição deveria ser mais "enxuta" que a atual, parecida com a norte-americana, contendo apenas princípios e valores gerais para reger o País. "O restante, como o horário de trabalho do bancário, o juro tabelado, essas coisas, isso (deve estar) em lei ordinária, porque muda de acordo com os valores e o tempo", afirmou Mourão

Em relação à campanha presidencial, o general da reserva descartou a possibilidade de mudança do nome na cabeça de chapa depois do atentado sofrido por Bolsonaro, que continua internado Segundo o general, o deputado federal deve estar pronto "para liderar o processo" em três semanas, mas ainda não totalmente recuperado para participar de manifestações de rua. "É ele quem as pessoas vão eleger. Ninguém vai me eleger, eu sou o apêndice", declarou.

O general admitiu que houve prejuízo na campanha com a impossibilidade de Bolsonaro participar dos atos, mas afirmou que não mudou sua agenda de campanha depois do atentado. Mourão também afirmou que está com a segurança de campanha melhor reforçada depois do atentado e usando colete a prova de balas.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM