Jornal do Commercio
BOA VIAGEM

Ato pró-Bolsonaro reúne centenas de pessoas na Zona Sul

O ato, que reforça a campanha do presidenciável em Pernambuco, reuniu líderes de movimentos da sociedade civil e religiosos na Avenida Boa Viagem

Publicado em 23/09/2018, às 11h25

Muitas pessoas estavam com camisas que estampavam o rosto do candidato e cartazes de apoio / Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Muitas pessoas estavam com camisas que estampavam o rosto do candidato e cartazes de apoio
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
JC Online

Atualizada às 17h44

Mesmo em segundo lugar nas intenções de voto em Pernambuco (17%), a campanha de Jair Bolsonaro (PSL) à presidência da República ganhou reforço em caminhada de apoio ao candidato, que ocorreu na manhã deste domingo (23) na Avenida Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. O ato, mesmo sem a presença de Bolsonaro, que continua sua recuperação no hospital, contou com a presença de centenas de pessoas, inclusive muitas mulheres e líderes religiosos. Outro ponto que também chamou a atenção foi uma paródia da música 'Baile de Favela', que fazia críticas à esquerda, a outros presidenciáveis, ao feminismo e à Central única dos Trabalhadores (CUT). Veja o vídeo no fim da matéria.

Vários líderes de movimentos da sociedade civil e representantes religiosos estiveram no local, que contou com um trio elétrico e um carro de som. Muitas pessoas estavam com a camisas que estampavam o rosto do candidato, da seleção brasileira e com cartazes de apoio ao presidenciável, onde um deles dizia 'Pela moral, os bons costumes e a família'.

Em meio a diversos apoiadores, um dos líderes do Movimento ‘Vem Pra Rua’ no Estado, Marconi Ferraz, fez questão de defender o candidato, afirmando que o seu posicionamento é pessoal. “Eu, particularmente, vejo que Jair Bolsonaro é o único que se opõe ao que está acontecendo de errado no país”, disse.

Quem também esteve presente e defendeu a candidatura do presidenciável, que está internado desde o dia 6 de setembro, após receber uma facada durante um ato de campanha em Juíz de Fora (MG), foi o padre Cirílo, da Igreja Ortodoxa. “Vivemos em um país democrático, e eu apoio Bolsonaro porque acredito que ele irá livrar o nosso país dessa roubalheira e de muitos problemas ideológicos que entraram no nosso país”, explicou.

Mesmo apoiando Bolsonaro, o padre comentou que a igreja está aberta a acolher outras pessoas e que apoiam outros candidatos. Já o pastor Rubens, da Assembleia de Deus, também esteve presente, saindo em defesa do presidenciável e explicando que a relação da candidatura vem por conta do patriotismo.

O religioso reiterou que grupos pequenos estão se reunindo para transformar o Brasil naquilo que pensam, com ideologias e idealismos pessoais. “Não é dessa forma. Que futuro terá o Brasil da forma que está indo? Nenhum! não é uma coisa pessoal ou religiosa. Nós acreditamos que essa guerra começa a ser espiritual e está se materializando na ação”, declarou.



O líder religioso finalizou dizendo que as pessoas que acreditam em Deus e que amam o Brasil não podem cruzar os braços. “Eu acredito que Deus levantou um homem e ele se chama Jair Messias Bolsonaro, e ele será usado por Deus para mudar essa nação”, pontuou. 

Marconi Ferraz atribuiu o atentado ao candidato, no último dia 6, a uma possível vitória de Bolsonaro. “Tudo que aconteceu com ele o leva a presidência da república. Até o aspecto negativo. É aquela historia de que,  quando Deus quer, não há o que fazer”, concluiu.

Paródia polêmica

Durante o ato, várias músicas foram cantadas pelo público. Muitas delas faziam crítica a esquerda, a outros presidenciáveis e a políticos em geral, como a deputada Maria do Rosário, e exaltavam a direita e o candidato Jair Bolsonaro (PSL).

Em uma das canções, a paródia da música 'Baile de Favela' fez críticas ao feminismo e cita a Central Única dos Trabalhadores. ''Dou para CUT pão com mortadela e para as feministas ração na tigela, as minas de direita são as top mais belas, enquanto as de esquerda têm mais pelo que cadela''. Veja no vídeo:

 





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM