Jornal do Commercio
Pesquisa

Ibope: sob ataque, Bolsonaro estaciona em 28%; Haddad vai a 22%

A pesquisa do Ibope foi divulgada nesta segunda-feira (24)

Publicado em 24/09/2018, às 19h53

Segundo pesquisa, a vantagem de Bolsonaro sobre Fernando Haddad caiu de 18 pontos porcentuais para 6 / Fotos: AFP e Ricardo Stuckert
Segundo pesquisa, a vantagem de Bolsonaro sobre Fernando Haddad caiu de 18 pontos porcentuais para 6
Fotos: AFP e Ricardo Stuckert
Estadão Conteúdo

A pouco menos de duas semanas das eleições 2018, o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, parou de crescer e se manteve com 28% das intenções de voto. Seu principal adversário, Fernando Haddad (PT), subiu três pontos porcentuais e chegou a 22%. Os dados são de pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada nesta segunda-feira (24). Desde a semana passada, o candidato do PSL vem sofrendo ataques dos adversários, principalmente da campanha do tucano Geraldo Alckmin.

Nas simulações de segundo turno, Bolsonaro passou a perder para todos os adversários, com exceção de Marina Silva (Rede), com quem empata.

Desde o dia 11 de setembro, data em que Haddad foi oficializado como candidato do PT, a vantagem de Bolsonaro sobre ele caiu de 18 pontos porcentuais para 6. O petista é agora o único presidenciável que apresenta tendência de alta em toda a série de cinco pesquisas Ibope divulgadas desde 20 de agosto.

Além de se aproximar do líder, Haddad ampliou a vantagem sobre o terceiro colocado, Ciro Gomes (PDT), de 8 para 11 pontos porcentuais. Ciro tem 11% das preferências, mesma taxa da pesquisa anterior do Ibope, divulgada na última terça-feira.

O tucano Geraldo Alckmin oscilou um ponto para cima, de 7% para 8%. Marina passou de 6% para 5%, mantendo a trajetória de queda iniciada no início do mês, quando chegou a ter 12%.

João Amoêdo (Novo) oscilou um ponto para cima e chegou a 3%. Alvaro Dias (Podemos) e Henrique Meirelles (MDB) continuam com o mesmo índice da pesquisa anterior, 2%. Guilherme Boulos (PSOL) marcou 1%. Cabo Daciolo (Patriota), Vera Lucia (PSTU), João Goulart Filho (PPL) e Eymael (DC) não pontuaram.

Rejeição

A rejeição a Bolsonaro passou de 42% para 46% em uma semana. Depois de uma trégua e aumento de visibilidade causadas pela facada de que foi vítima, em 6 de setembro, o candidato do PSL voltou recentemente a ser atacado por adversários, tanto em eventos de campanha quanto em peças de propaganda eleitoral.

A seguir no ranking da rejeição - parcela do eleitorado que diz não votar no candidato de jeito nenhum - aparecem Haddad (30%), Marina (25%), Alckmin (20%) e Ciro (18%).



A pesquisa capta os efeitos de três semanas de propaganda eleitoral no rádio e na televisão. Também registra os efeitos de quase duas semanas da troca de Luiz Inácio Lula da Silva por Fernando Haddad na cabeça da chapa petista. A candidatura de Lula foi indeferida pela Justiça Eleitoral, com base na Lei da Ficha Limpa, já que ele foi condenado em duas instâncias por corrupção e lavagem de dinheiro.

Segundo turno

Líder nas pesquisas de intenção de voto para o primeiro turno da eleição presidencial, Bolsonaro não consegue superar nenhum adversário nas simulações de segundo turno. Conforme o instituto, se a segunda etapa da disputa fosse hoje, ele perderia para Haddad, Ciro e Alckmin, além de só empatar com Marina.

Em um eventual confronto entre Haddad e Bolsonaro, o candidato do PT tem 43% das intenções de voto e o deputado fluminense apresenta 37%. No levantamento anterior, divulgado pelo Ibope no último dia 18, os dois estavam numericamente empatados, com 40% das intenções cada um.

Além de sofrer uma desvantagem em relação a Haddad, Bolsonaro também perde para Ciro em uma simulação de segundo turno. Se houvesse uma disputa entre os dois, o pedetista venceria Bolsonaro por 46% a 35%. Há uma semana, havia empate técnico no confronto: Ciro tinha 40% contra 39% do candidato do PSL.

Alckmin também supera Bolsonaro na simulação de segundo turno. O tucano tem 41% contra 36% do capitão da reserva. Na pesquisa divulgada dia 18, os dois tinham o mesmo porcentual no cenário: 38%.

Após superar Marina Silva em uma simulação de segundo turno na semana passada, o candidato do PSL agora empata com a candidata da Rede: 39% a 39%. No dia 18, Bolsonaro superava a adversária com 41% contra 36%.

O Ibope foi às ruas entre os dias 22 e 23 de setembro. Foram entrevistadas 2.506 pessoas em 178 municípios. A margem de erro estimada é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos, e o nível de confiança é de 95%. Isso quer dizer que há 95% de chance de os resultados refletirem o atual momento eleitoral. A pesquisa foi contratada pelo Estado e pela TV Globo. O registro no Tribunal Superior Eleitoral foi feito sob o protocolo BR-06630/2018.

Palavras-chave




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM