Jornal do Commercio
CANDIDATO

Haddad diz que ataques por divergência de opinião ameaçam a democracia

O petista disse ver uma ameaça à democracia em ataques virtuais e físicos

Publicado em 09/10/2018, às 13h58

Haddad lembrou ainda o caso do mestre de capoeira e compositor Moa do Katendê / Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil
Haddad lembrou ainda o caso do mestre de capoeira e compositor Moa do Katendê
Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil
ABr

O candidato à Presidência da República do PT, Fernando Haddad, disse nesta terça-feira (9) ver uma ameaça à democracia em ataques virtuais e físicos resultados de divergência de opinião política. Ele deu como exemplo a perseguição, pelas redes sociais, à jornalista Miriam Leitão, colunista do jornal O Globo e da Globo News.

“Eu queria me solidarizar aos ataques à liberdade de expressão que a jornalista Miriam Leitão está sofrendo na internet, na minha opinião, muito graves. Ela manifestou uma opinião e está sendo muito atacada pela honra nas redes sociais”, ressaltou ao chegar para uma reunião do partido com governadores.

Haddad lembrou ainda o caso do mestre de capoeira e compositor Moa do Katendê, assassinado com 12 facadas nas costas no último domingo (7) em Salvador. O autor do crime admitiu que atacou o mestre motivado por uma discussão política.

“Espero que nenhum de vocês tenha que passar por isso, mas nós que estamos na vida pública sentimos que a democracia esteja ameaçada com esse tipo de atitude, na minha opinião, covarde, de determinados setores da sociedade que não convivem com regras democráticas”, disse o candidato.



Haddad disse ter procurado ontem (8) a campanha do candidato à Presidência da República do PSL, Jair Bolsonaro, para buscar um entendimento em relação à animosidade e a difusão de informações falsas.

“Ontem mesmo tentei uma aproximação com a candidatura do meu adversário para estabelecer um protocolo ético para as redes sociais”, ressaltou. Para Haddad, apesar de adversários, poderia haver uma cooperação nesse sentido.

Economia

Fernando Haddad disse que o foco de um eventual governo na área econômica será a recuperação do mercado interno de consumo. “A economia vai ser recuperada garantindo o poder de compra dos trabalhadores, não cortando direitos. O corte de direitos vai nos levar a mais recessão”, ressaltou. Segundo ele, é possível melhorar a renda dos trabalhadores fazendo mudanças na estrutura tributária.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM