Jornal do Commercio
CANDIDATO

Haddad diz que ataques por divergência de opinião ameaçam a democracia

O petista disse ver uma ameaça à democracia em ataques virtuais e físicos

Publicado em 09/10/2018, às 13h58

Haddad lembrou ainda o caso do mestre de capoeira e compositor Moa do Katendê / Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil
Haddad lembrou ainda o caso do mestre de capoeira e compositor Moa do Katendê
Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil
ABr

O candidato à Presidência da República do PT, Fernando Haddad, disse nesta terça-feira (9) ver uma ameaça à democracia em ataques virtuais e físicos resultados de divergência de opinião política. Ele deu como exemplo a perseguição, pelas redes sociais, à jornalista Miriam Leitão, colunista do jornal O Globo e da Globo News.

“Eu queria me solidarizar aos ataques à liberdade de expressão que a jornalista Miriam Leitão está sofrendo na internet, na minha opinião, muito graves. Ela manifestou uma opinião e está sendo muito atacada pela honra nas redes sociais”, ressaltou ao chegar para uma reunião do partido com governadores.

Haddad lembrou ainda o caso do mestre de capoeira e compositor Moa do Katendê, assassinado com 12 facadas nas costas no último domingo (7) em Salvador. O autor do crime admitiu que atacou o mestre motivado por uma discussão política.

“Espero que nenhum de vocês tenha que passar por isso, mas nós que estamos na vida pública sentimos que a democracia esteja ameaçada com esse tipo de atitude, na minha opinião, covarde, de determinados setores da sociedade que não convivem com regras democráticas”, disse o candidato.



Haddad disse ter procurado ontem (8) a campanha do candidato à Presidência da República do PSL, Jair Bolsonaro, para buscar um entendimento em relação à animosidade e a difusão de informações falsas.

“Ontem mesmo tentei uma aproximação com a candidatura do meu adversário para estabelecer um protocolo ético para as redes sociais”, ressaltou. Para Haddad, apesar de adversários, poderia haver uma cooperação nesse sentido.

Economia

Fernando Haddad disse que o foco de um eventual governo na área econômica será a recuperação do mercado interno de consumo. “A economia vai ser recuperada garantindo o poder de compra dos trabalhadores, não cortando direitos. O corte de direitos vai nos levar a mais recessão”, ressaltou. Segundo ele, é possível melhorar a renda dos trabalhadores fazendo mudanças na estrutura tributária.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM