Jornal do Commercio
SEGUNDO TURNO

Jamais vou deixar de defender que Lula foi condenado sem provas, diz Haddad

Petista deu entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul (RS)

Publicado em 09/10/2018, às 15h30

Fernando Haddad cobrou a presença do concorrente dele, Jair Bolsonaro (PSL), em debates no segundo turno. / Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Fernando Haddad cobrou a presença do concorrente dele, Jair Bolsonaro (PSL), em debates no segundo turno.
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, afirmou nesta terça-feira, 9, que não vai se descolar da imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba desde 7 de abril.

Em entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul (RS), Haddad disse que "jamais vou deixar de defender que Lula foi condenado sem provas" e reconheceu que só chegou ao segundo turno "em função do projeto que Lula representa".

Sobre o papel que Lula teria em seu eventual governo, Haddad disse que ele foi o melhor presidente da História do País. "Nesta condição, acho que ele tem muito a contribuir pelo Brasil e pelo mundo", afirmou. "O Brasil nunca foi tão feliz, nós queremos retomar um Brasil que deu certo."

Haddad também negou que Lula tenha dito para ele ser mais "Haddad" nesta segunda etapa da campanha. "O que Lula me disse ontem era para eu ir para a rua e ganhar esta eleição", afirmou.



Debates

O candidato do PT cobrou a presença do concorrente dele, Jair Bolsonaro (PSL), em debates no segundo turno. "Como ele tem dado entrevistas, creio que ele tem condições de ir a debates", afirmou, e cutucou o adversário. "Nunca fugi a um debate. Nem com gripe. Espero que ele compareça."

A campanha de Bolsonaro informou que o candidato vai passar por consulta médica nesta quarta-feira, 10, para avaliar se há condições para participar dos programas.

As emissoras de TV planejam ao menos seis encontros, com o início da maratona prevista para esta quinta-feira, 11, na Band

Haddad voltou a criticar o economista Paulo Guedes, da campanha de Bolsonaro, e afirmou que não vai nomear "banqueiro" para o Ministério da Fazenda. "Como posso nomear banqueiro se eu vou fazer a reforma bancária?", afirmou o candidato.

No campo da economia, Haddad defendeu ainda a reforma tributária e as mudanças nos regimes próprios de Previdência de Estados envidados, como Rio Grande do Sul e Minas Gerais.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM