Jornal do Commercio
SEGUNDO TURNO

Jamais vou deixar de defender que Lula foi condenado sem provas, diz Haddad

Petista deu entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul (RS)

Publicado em 09/10/2018, às 15h30

Fernando Haddad cobrou a presença do concorrente dele, Jair Bolsonaro (PSL), em debates no segundo turno. / Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Fernando Haddad cobrou a presença do concorrente dele, Jair Bolsonaro (PSL), em debates no segundo turno.
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, afirmou nesta terça-feira, 9, que não vai se descolar da imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba desde 7 de abril.

Em entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul (RS), Haddad disse que "jamais vou deixar de defender que Lula foi condenado sem provas" e reconheceu que só chegou ao segundo turno "em função do projeto que Lula representa".

Sobre o papel que Lula teria em seu eventual governo, Haddad disse que ele foi o melhor presidente da História do País. "Nesta condição, acho que ele tem muito a contribuir pelo Brasil e pelo mundo", afirmou. "O Brasil nunca foi tão feliz, nós queremos retomar um Brasil que deu certo."

Haddad também negou que Lula tenha dito para ele ser mais "Haddad" nesta segunda etapa da campanha. "O que Lula me disse ontem era para eu ir para a rua e ganhar esta eleição", afirmou.



Debates

O candidato do PT cobrou a presença do concorrente dele, Jair Bolsonaro (PSL), em debates no segundo turno. "Como ele tem dado entrevistas, creio que ele tem condições de ir a debates", afirmou, e cutucou o adversário. "Nunca fugi a um debate. Nem com gripe. Espero que ele compareça."

A campanha de Bolsonaro informou que o candidato vai passar por consulta médica nesta quarta-feira, 10, para avaliar se há condições para participar dos programas.

As emissoras de TV planejam ao menos seis encontros, com o início da maratona prevista para esta quinta-feira, 11, na Band

Haddad voltou a criticar o economista Paulo Guedes, da campanha de Bolsonaro, e afirmou que não vai nomear "banqueiro" para o Ministério da Fazenda. "Como posso nomear banqueiro se eu vou fazer a reforma bancária?", afirmou o candidato.

No campo da economia, Haddad defendeu ainda a reforma tributária e as mudanças nos regimes próprios de Previdência de Estados envidados, como Rio Grande do Sul e Minas Gerais.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM