Jornal do Commercio
Propostas

Na TV, Bolsonaro e Haddad divergem sobre armamento, ministérios e Mais Médicos

Os dois candidatos fizeram acenos ao eleitorado mais pobre

Publicado em 11/10/2018, às 21h56

Os dois candidatos prometeram também acabar com o Imposto de Renda para aqueles que ganham até cinco salários mínimos / Fotos: MIGUEL SCHINCARIOL, DANIEL RAMALHO / AFP
Os dois candidatos prometeram também acabar com o Imposto de Renda para aqueles que ganham até cinco salários mínimos
Fotos: MIGUEL SCHINCARIOL, DANIEL RAMALHO / AFP
Estadão Conteúdo

Em entrevistas gravadas para a RedeTV! separadamente e exibidas nesta quinta-feira (11), Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) entraram em rota de colisão ao defenderem ponto de vistas diferentes em relação a algumas propostas para o País. Uma das principais divergências foi em relação ao armamento da população.

"Todo cidadão de bem que queira ter arma dentro de casa, com alguns critérios, (que) possa tê-la", disse Bolsonaro, ressaltando que a medida caberia à análise do Congresso Nacional "Quem tem que portar armas é a polícia para garantir direito de segurança pública", comentou Haddad.

Outra discordância foi em relação à criação ou extinção de ministérios no governo. O petista prometeu reativar as pastas de Política para as Mulheres e Igualdade Racial, além de separar das Comunicações o Ministério da Ciência e Tecnologia. O candidato do PSL, por sua vez, disse que os ministérios extintos estavam atendendo a interesses partidários. Ele prometeu nomear ministros com "competência, interesse e liberdade de iniciativa"

Sobre o agronegócio, Bolsonaro prometeu tipificar como "terrorismo" as ações do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), prometendo ainda uma legislação trabalhista diferente para o campo. Já Haddad prometeu apoiar o agronegócio, mas ponderou que é preciso agir para que toda terra seja produtiva e não fique improdutiva.

Mais Médicos

Em relação ao programa Mais Médicos, o candidato petista prometeu ampliar contratando médicos especialistas e construindo uma policlínica para cada 50 mil habitantes no País. Bolsonaro criticou o programa e disse que não manteria o modelo como está sendo feito. Para ele, o Mais Médicos não pode trazer uma suposta médica mãe cubana ao Brasil e deixar seu filho no país de origem.



Falando sobre drogas, Haddad defendeu "traficante na cadeia e usuário com tratamento". Bolsonaro afirmou que não passa por sua cabeça a liberação das drogas, mas ponderou que não vai 'perseguir' usuários.

Regulação da mídia

Questionados sobre regulação da mídia, Bolsonaro afirmou que a imprensa tem que ser "livre" e disse que "a imprensa que realmente estiver voltada com a verdade, vai ser valorizada", criticando a proposta do PT de regular a mídia. Haddad afirmou, por sua vez, que uma família não pode concentrar o controle de meios de comunicação em um Estado como Bahia, Alagoas ou Maranhão.

Na Educação, Haddad falou em priorizar o ensino médio em um eventual governo e fazer com que as escolas federais sejam responsáveis por melhorar o ensino das escolas estaduais. Bolsonaro pregou contra a chamada "ideologia de gênero" e defendeu "excluir" um estudante que agrida o professor.

Acenos

Os dois candidatos fizeram acenos ao eleitorado mais pobre. O petista reforçou que vai fortalecer o Bolsa Família e citou que o programa é uma das principais ações dos governos petistas. Bolsonaro citou sua proposta de conceder um 13º a quem recebe o benefício e combater a fraude, dando o pagamento para quem "realmente merece e precisa".

Os dois candidatos prometeram também acabar com o Imposto de Renda para aqueles que ganham até cinco salários mínimos.

Na entrevista, Bolsonaro reforçou que geração de energia, Banco do Brasil, Caixa e Banco do Nordeste serão preservados de privatização. Haddad, por sua vez, afirmou que Eletrobras, Correios, BB e Caixa são "estatais intocáveis".





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM