Jornal do Commercio
ATO FALHO

Sou vítima daquilo que prego, diz Bolsonaro

Durante a entrevista na rádio CBN, o candidato à Presidência Jair Bolsonaro, se esquivou da responsabilização sobre ataques cometidos por seus apoiadores

Publicado em 11/10/2018, às 22h57

O presidenciável afirmou que lamenta os atos de violência que estão ocorrendo / Foto: Mauro Pimentel / AFP
O presidenciável afirmou que lamenta os atos de violência que estão ocorrendo
Foto: Mauro Pimentel / AFP
Estadão Conteúdo

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, cometeu um ato falho na entrevista à rádio CBN, veiculada na noite desta quinta-feira (11). Ao fazer um discurso contra os votos de pessoas que cometem violência contra adversários dele, Bolsonaro disse que ele é vítima do clima de polarização do País. "Sou vítima daquilo que prego", afirmou.

O candidato voltou a se esquivar da responsabilização dele sobre ataques que teriam sido cometidos por apoiadores dele, como o assassinato do mestre de capoeira Moa do Katendê.



"Quem levou a facada foi eu"

"Foram 48 milhões de pessoas que votaram em mim, você quer que eu me responsabilize por elas?", questionou. "Me desculpa, quem levou a facada foi eu. Lamento isso aí (atos de violência). Condenar, condeno sim."





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM