Jornal do Commercio
ELEIÇÕES 2018

Como o WhatsApp favoreceu que fake news dominassem as eleições

Levantamento aponta que das 50 imagens mais compartilhadas no WhatsApp, apenas quatro são verdadeiras

Publicado em 21/10/2018, às 08h30

Fechado, o WhatsApp permitiu o compartilhamento de mentiras e de distorções ao arrepio da lei / Foto: Allan White/Fotos Públicas
Fechado, o WhatsApp permitiu o compartilhamento de mentiras e de distorções ao arrepio da lei
Foto: Allan White/Fotos Públicas
Paulo Veras

Fechado, o WhatsApp virou terreno fértil para a proliferação de desinformação na campanha eleitoral brasileira, segundo grupos de monitoramento. A plataforma permitiu o compartilhamento de mentiras e distorções ao arrepio da lei, dificultando a identificação de responsáveis. Um levantamento de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Federal de Minas Gerais (UFMG), junto com a agência de checagem Lupa, mostrou que apenas quatro das 50 imagens mais compartilhadas em 347 grupos abertos eram verdadeiras.

A partir dessas informações, o grupo publicou um artigo no jornal americano The New York Times defendendo que o WhatsApp tomasse medidas para reduzir o número de compartilhamentos na plataforma, em uma tentativa de reduzir a onda de desinformação. O texto cita mentiras difundidas contra os dois presidenciáveis, mas foi tachado entre os eleitores de Jair Bolsonaro como uma “censura petista” sobre o aplicativo. O WhatsApp rejeitou as sugestões e informou que 90% do tráfego de mensagens no Brasil ocorre entre usuários, não entre grupos.

“A parte suja da campanha eleitoral migrou do Facebook para o WhatsApp. E migrou porque o WhatsApp são redes privadas que não podem ser monitoradas. A gente observou que uma quantidade muito grande de desinformação está circulando nos grupos. Eu não sei quem está por trás disso. Só sei que são os mesmos atores semeando. E esses atores fazem mutirões para reprodutores, que estão reenviando. É isso o que a gente vê. Eu não sei se é da campanha oficial, se é da campanha paralela. Mas, na verdade, pouco importa. O que importa é o efeito”, argumenta o professor da USP Pablo Ortellado, um dos responsáveis pelo levantamento.

Editor do Comprova - iniciativa de 24 veículos de comunicação (entre eles o JC) para combater a desinformação na campanha de 2018 –, Sergio Ludtke afirma que o principal desafio para combater as mentiras no WhatsApp é que a tecnologia do aplicativo não permite mapear o que tem sido compartilhado nas conversas. “O impacto da desinformação é muito grande. Eu não sei se ela poderia mudar o resultado da eleição. Mas ela seguramente tem um impacto muito grande para a formação da opinião pública. A gente tem que lembrar que nós estamos em um momento de grande polarização. As pessoas tendem a acreditar bastante na opinião dos amigos e dos parentes. Não é todo mundo que tem discernimento para desconfiar do que vem desses grupos”, explica. Das 122 checagens já feitas pelo Comprova, 90% mostraram-se informações falsas.



O que fazer?

Para Yasodara Córdova, pesquisadora da Escola de Governo da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, o fato de planos de telefonia móvel oferecerem conversas do WhatsApp como gratuitas e cobrar pelo acesso a sites ajuda a entender o fenômeno. “Quase 70% dos planos de telefonia no Brasil são pré-pagos. E eles todos oferecem WhatsApp de graça. As pessoas recebem as mensagens e, como não têm como conferir, acabam acreditando”, diz.

O professor da UFMG Camilo Aggio diz não saber se há uma medida pouco controversa a se tomar no WhatsApp, porque o debate entra no terreno dos direitos e da privacidade. “O que se deve levar em consideração é que pelo WhatsApp podem circular campanhas difamatórias que ferem a honra e a dignidade das pessoas. É sobre esse ponto de vista que pode se pensar uma regulação dessa comunicação”, lembra.

Ferramentas como um detector de fake news desenvolvido pela USP e pela Universidade Federal de São Carlos recebe textos através de um número de WhatsApp ou por um site, faz uma análise linguística e avisa ao eleitor sobre probabilidade de aquela informação ser ou não ser verídica com base em um banco de dados de 7,2 mil textos. “A proliferação de notícias falsas ocorre nas redes sociais. E muita gente hoje no Brasil tem WhatsApp. Então, ficou muito claro que a gente deveria fazer alguma coisa para o aplicativo”, explica o doutorando da USP Roney Lira, programador do projeto.


Recomendados para você


Comentários

Por Almeida,21/10/2018

#whatsdespair

Por Paulo Carvalho,21/10/2018

No meu celular chega uma enxurrada de vídeos, áudios e postagens diariamnte contra o PT e também contra Bolsonaro. São contatos simpatizantes dos dois candidatos que tenho na agenda do celular, então eu pergunto; como condenar essa ou aquela campanha por estas mensagens ?

Por Almir,21/10/2018

Entendam! o que desmoraliza o PT não é o Fake , é a verdade. Tudo que fazem é para propagar o ódio e a mentira para se perpetuar no poder. Tudo que fazem ou dizem não suporta cinco minutos de contra argumentos sinceros, PT NÃO, PT NUNCA MAIS.

Por Alberto,21/10/2018

Então a culpa é da informação gratuita? Desinformação acontece em qualquer meio de comunicação, é quem recebe o grande problema em não checar as informações que recebem.

Por Éric,21/10/2018

A propaganda eleitoral, que também propaga mentiras nos meios de comunicação, deve também ser proibida?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM