Jornal do Commercio
PAC

CGU vê irregularidades em obras da Delta para o governo

Controladoria-Geral da União (CGU) apontou pagamentos ilegais, indícios de superfaturamento, serviços mal executados e diversos tipos de impropriedade em contratos fiscalizados a partir de 200

Publicado em 14/04/2012, às 09h17

Da Agência Estado

A Controladoria Geral da União (CGU) apontou irregularidades em obras da Delta Construções, cujos contratos somam R$ 632 milhões. Auditorias do órgão, responsável pelo controle interno do governo federal, listam pagamentos ilegais, indícios de superfaturamento, execução de serviços sem qualidade e diversos outros tipos de impropriedade em contratos da empresa, fiscalizados a partir de 2007.

Uma das principais construtoras do setor rodoviário no País, a Delta concentra atividades no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), além de atuar em aeroportos e em megaempreendimentos como a Transposição do Rio São Francisco. Nas estradas federais, a CGU encontrou problemas em ao menos 60 obras de pequeno, médio e grande portes nos últimos cinco anos.

Em boa parte dos casos, houve falhas nas licitações e o valor dos contratos foi inflado, não raro acarretando prejuízo ao erário. Segundo os auditores, a precariedade da fiscalização do governo favoreceu as irregularidades.

Em Mato Grosso, após um "pente-fino" na manutenção de trechos das BRs 070, 163 e 364, contratada por R$ 39,6 milhões pelo Dnit os auditores encontraram sobrepreço de R$ 6,8 milhões nas planilhas da obra. Ao menos R$ 2,2 milhões chegaram a ser desembolsados irregularmente.

No mesmo estado, e empreiteira foi contratada pelo Dnit para executar melhorias em 125 quilômetros da 364, ao custo de R$ 12 5 milhões.

Segundo relatório da CGU, o edital da concorrência superestimava o valor de alguns itens, o que também gerou pagamentos indevidos.

As auditorias também listam, recorrentemente, serviços de baixa qualidade. No Rio de Janeiro, a recuperação de trecho da BR-101, que consumiu R$ 2,3 milhões, terminou deixando trincas, "panelas" e trilhas de roda no asfalto.

O órgão de controle interno do governo apurou indícios de que a execução de obras foi forjada. Por R$ 4,4 milhões, o governo contratou a Delta para a recuperação de 218 quilômetros da BR-242, na Bahia. Os auditores encontraram evidências de que os registros fotográficos da obra, que comprovam o trabalho feito, foram montados.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM