Jornal do Commercio
Avaliação

Dilma: dois anos de popularidade em alta, mas sob ameaça econômica

Uma pesquisa do Ibope divulgada em dezembro colocou a popularidade de Dilma em 78% e o apoio a seu governo em 62%

Publicado em 30/12/2012, às 14h20

 / Foto: AFP
Foto: AFP
AFP

A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, completará nesta terça-feira (1°) a metade de seu mandato com uma popularidade recorde, mas segue ao mesmo tempo ameaçada pela desaceleração da economia, que também esfriou a comemoração dos 10 anos da chegada da esquerda ao poder.

A sucessora e herdeira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) alcançou nos últimos dois anos o parecia improvável: ultrapassar em popularidade seu mentor e transformar o seu estilo sóbrio de governo na principal alternativa no Partido dos Trabalhadores (PT) para a eleição de 2014.

"Dilma atinge a metade de seu mandato (quatro anos), com uma avaliação melhor do que qualquer um dos seus antecessores no mesmo período", disse Marcos Coimbra, sociólogo e presidente do Instituto de pesquisa de opinião do Vox Populi, em uma coluna no Correio Brasiliense.

Uma pesquisa do Ibope divulgada em dezembro colocou a popularidade de Dilma em 78% e o apoio a seu governo em 62%. O instituto Datafolha também divulgou um estudo que a coloca na frente nas intenções de voto para a próxima eleição presidencial. Apenas o ex-presidente Lula poderia rivalizar com ela, embora ele própria já tenha dito que disputaria a eleição apenas se Dilma não o fizer, algo sobre o qual a presidente ainda não se pronunciou.

Antes disso, porém, Dilma - a primeira mulher a chegar ao poder no Brasil - terá que reverter dois anos de desaceleração econômica.

O crescimento de 1% previsto para 2012 (o mais baixo entre os emergentes) e de 2,7% registrado em 2011 foram decepcionantes para a gestão Dilma, após um crescimento de 7,5% em 2010.

"Foram dois anos de fracasso econômico", escreveu o jornal O Estado de São Paulo, neste domingo, acrescentando que mesmo o consumo interno forte e o desemprego de apenas 4,9% em novembro não são suficientes para sustentar a recuperação.

Ao mesmo tempo, nesta década do primeiro governo de esquerda "as áreas de assistência social e de transferência de renda evoluíram bastante, com excelentes resultados nos indicadores de pobreza e na composição da classe média", disse o economista Raul Velloso, diretor da ARD Consultores Associados.

Contudo, a infraestrutura de transporte do anfitrião da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016 segue deteriorada, e a política de aliança com o setor privado para desenvolver trabalhos é "equivocada", pois assegura muitos lucros às empresas ", disse o especialista para o jornal O Globo.

O governo de Dilma Rousseff, que em dois anos perdeu sete ministros por corrupção - sem prejudicar a popularidade da presidente - atribui os infortúnios econômicos à crise internacional. O governo, no entanto, aposta forte na recuperação após uma série de incentivos para investimento e consumo e através do compromisso de reduzir a asfixiante carga tributária.

"Eu acho que o Brasil, em 2013, vai crescer mais", disse o presidente na sexta-feira, com os olhos voltados para a maior conquista do PT no governo: a luta contra a pobreza e a ascensão de 40 milhões de pessoas à classe média desde 2003. "Vamos continuar a superação da pobreza extrema, que é o compromisso do meu governo até 2014", disse.

Dilma reafirmou neste domingo as conquistas sociais do PT, sem mencionar o escândalo de corrupção que terminou este ano, com a condenação de três líderes históricos do partido por suborno a parlamentares no primeiro governo Lula. O julgamento retumbante não afetou a popularidade de Dilma e ou de Lula - excluído do julgamento -, mas tirou do PT a bandeira contra a corrupção empunhada em seus tempos de oposição.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM