Jornal do Commercio
encontro

Em palestra com empresários, Mendes afirma que STF agia com 'assimetria'

Mendes elogiou a iniciativa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de abrir o processo referente às contas da campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff

Publicado em 23/11/2015, às 16h15

O ministro - que participa de debate no Grupo de Líderes Empresarias (Lide), em São Paulo - disse que as contas do Executivo eram avaliadas em
O ministro - que participa de debate no Grupo de Líderes Empresarias (Lide), em São Paulo - disse que as contas do Executivo eram avaliadas em "espécie de faz de contas", pois, entre outras razões, o Judiciário evitava se envolver com questões "politicame
Foto: Pedro França/Agência Senado
Do Estadão Conteúdo

O Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes afirmou nesta segunda-feira (23) que, até pouco tempo atrás, o STF agia com "certa assimetria". "Éramos muito corajosos para cassarmos governadores de Roraima ou de Rondônia, mas éramos cuidadosos com Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais", disse em debate promovido pelo Lide.

O ministro - que participa de debate no Grupo de Líderes Empresarias (Lide), em São Paulo - disse que as contas do Executivo eram avaliadas em "espécie de faz de contas", pois, entre outras razões, o Judiciário evitava se envolver com questões "politicamente muito densas". Para ele, os tribunais chegavam a aplicar "multas ingênuas", sem impacto efetivo para coibir práticas eleitorais ilegais.

Mendes elogiou a iniciativa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de abrir o processo referente às contas da campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff. Destacou ser um processo inédito no País, que avaliará a suspeita de "doação de propina", abuso de poder econômico e político.

 

Lava Jato

Gilmar Mendes afirmou que os números de corrupção da Operação Lava Jato são "estratosféricos". O ministro disse que o caso do mensalão era considerado, até agora, o maior caso de corrupção da história do País.

Mendes avalia que o julgamento do processo do mensalão foi "extremamente importante" para a Lava Jato ter sucesso. O ministro citou o caso do ex-gerente executivo da Petrobras Pedro Barusco, que confessou ter recebido propinas do esquema de corrupção instalado na estatal e investigado pela Lava Jato. No acordo de delação premiada, Barusco aceitou devolver US$ 97 milhões em propina.

"As investigações que agora se desenvolvem seriam impensáveis se nós não tivéssemos aquele julgamento do mensalão", afirmou. "Depois surge o Petrolão, os números são estratosféricos, quando 1 Barusco corresponde a US$ 100 milhões, temos um outro quadro." Mendes afirmou também que a Lava Jato tem sucesso até o momento por ter uma força-tarefa dedicada às investigações.

O ministro disse esperar que o STF reveja a decisão que "fatiou" os processos da Operação Lava Jato. Como antecipou o Broadcast Político, a Procuradoria-Geral da República enviou recurso ao Supremo para tentar reverter o desmembramento.



Em 23 de setembro deste ano, a maioria dos ministros entendeu que a investigação da Lava Jato não deveria ficar somente sob relatoria do ministro Teori Zavascki, responsável pelo caso na Corte, e sob os cuidados do juiz Sérgio Moro, que conduz a operação na primeira instância, em Curitiba.

"Acho que não foi uma boa decisão, a melhor decisão. Na época me posicionei. Espero que o STF tenha a oportunidade de rever", afirmou. "Temos anunciado recurso da Procuradoria-Geral da República, e espero que o Tribunal se debruce sobre o tema."

O pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, mantido sob sigilo, contesta decisão do ministro Teori Zavascki, que desmembrou as investigações na estatal Eletronuclear. O recurso evoca a existência de provas, pessoas, empresas e partidos, agindo em uma mesma sistemática criminosa, nas obras da Usina Nuclear de Angra 3 e nos esquemas de cartel e corrupção na Petrobras.

Há uma semana, o caso sobre suposto pagamento de R$ 4,5 milhões em propinas relacionadas a obras de Angra 3 chegou à 7.ª Vara Federal do Rio, sob responsabilidade do juiz Marcelo Bretas. Funcionários já deixaram de identificar o processo como uma ação da Lava Jato e passaram a chamá-lo de Radioatividade, nome da operação deflagrada em julho que alcançou a Eletronuclear.

 

Urna eletrônica

Mendes disse estar convencido de não ter havido qualquer tipo de fraude nas urnas eletrônicas na reeleição da presidente Dilma Rousseff. "Não houve fraude", afirmou. 

Apesar da fala, o ministro disse que o modelo eletrônico deveria ser passível de verificação e que "há um esforço nesse sentido". O Congresso aprovou recentemente que as urnas terão de ter um mecanismo para imprimir os votos - em uma medida com custo estimado em R$ 1,8 bilhão.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM