Jornal do Commercio
crise no governo

Henrique Alves, ministro do Turismo, é o primeiro a deixar o governo Dilma Rousseff

Ministro do PMDB pediu exoneração do cargo nesta segunda-feira (28)

Publicado em 28/03/2016, às 19h47

Saída de Henrique Alves inaugura a debandada dos ministros do PMDB do governo Dilma Rousseff / Tomaz Silva/Agência Brasil
Saída de Henrique Alves inaugura a debandada dos ministros do PMDB do governo Dilma Rousseff
Tomaz Silva/Agência Brasil
Do Estadão Conteúdo

O ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), pediu exoneração do cargo. O documento foi distribuído nesta segunda-feira, 28, na presidência do PMDB. A decisão ocorre um dia antes de o partido se reunir para decidir sobre o rompimento com o governo federal. Procurado, Alves não atendeu às ligações da reportagem.

Na carta endereçada à presidente Dilma Rousseff, em que pede exoneração do cargo, Henrique Alves alega que o diálogo "se exauriu" e diz que o PMDB está diante do desafio de escolher seu caminho, "sob a presidência do meu companheiro de tantas lutas, Michel Temer".

Aclamação

Nesta segunda-feira (28), Temer e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), chegaram a um acordo para que a decisão do Diretório Nacional do PMDB amanhã, que sacramentará o desembarque da legenda do governo federal, seja feita por "aclamação".

Os acertos entre Temer e Renan têm como objetivo dirimir qualquer desgaste à cúpula da legenda após uma decisão do diretório nacional. Em não havendo votação, mas apenas uma sinalização simbólica por parte dos delegados presentes, não há como se contabilizar o tamanho dos possíveis apoios que poderiam ser dados ao governo.

 

Confira a íntegra do documento com o pedido de exoneração do ministro do Turismo

"Venho por meio desta carta entregar o honroso cargo de Ministro do Turismo do seu governo e agradecer por toda a confiança e respeitosa relação mantida durante esses onze meses em que trabalhamos juntos.



Pensei muito antes de fazê-lo, considerando as motivações e desafios que me impulsionaram a assumir o Ministério (e que acredito ter honrado): fazer do Turismo uma importante agenda econômica política e social do governo e do País.

Mas independentemente de nossa intenções, o momento nacional coloca agora o PMDB, o meu partido há 46 anos, diante do desafio maior de escolher o seu caminho, sob a presidência do meu companheiro de tantas lutas, Michel Temer.

Todos - o governo que assumi e o PMDB que sou, sabem que sempre prezei o diálogo permanente. Diálogo este que - lamento admitir - se exauriu.

Assim, Presidenta Dilma, é a decisão que tomo. Não nego que difícil, mas consciente, coerente, respeitando o meu Rio Grande do Norte, e sempre - como todos nós, na luta por um Brasil melhor.

Estou certo de que, sendo a Senhora alguém que preza acima de tudo a coerência ideológica e a lealdade ao seu próprio partido, entenderá minha decisão.

Respeitosamente, Henrique Eduardo Alves

 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM