Jornal do Commercio
TRIBUNAL DE CONTAS

Múcio vê distorções de R$ 423,7 bilhões e sinaliza reprovação de contas de Dilma

No total, o órgão apontou R$ 423,74 bilhões em distorções no Balanço Geral da União

Publicado em 15/06/2016, às 13h00

O prazo de defesa no tribunal correrá em paralelo à defesa do processo de impeachment da presidente afastada / Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR
O prazo de defesa no tribunal correrá em paralelo à defesa do processo de impeachment da presidente afastada
Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR
Estadão Conteúdo

Em clara postura pela reprovação das contas de 2015 do governo Dilma Rousseff, o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) José Múcio afirmou que o "conjunto de achados" apresentado pela unidade técnica da corte, após analisar as ações tomadas pela presidente afastada no ano passado, "compromete a fidedignidade das contas apresentadas" pela equipe de Dilma. 

No total, o órgão apontou R$ 423,74 bilhões em distorções no Balanço Geral da União, referentes a falta, excesso ou confusão de registros na contabilização.

Como o ministro Augusto Nardes fez no ano passado, ao abrir prazo para que o governo se manifestasse sobre as contas de 2014, José Múcio deu 30 dias para que Dilma Rousseff apresente seus argumentos. Na prática, porém, trata-se basicamente de um respeito ao rito do processo - já que o mesmo carrega parte das irregularidades que, no ano passado, levaram à reprovação das contas, como as chamadas pedaladas fiscais.



Durante uma sessão que durou quase duas horas, José Múcio leu cada uma das 19 irregularidades apontadas pela Secretaria de Macroavaliação Governamental do TCU e os cinco apontamentos feitos pelo Ministério Público junto ao tribunal. 

O prazo de defesa no tribunal correrá em paralelo à defesa do processo de impeachment da presidente afastada no Congresso, jogando ainda mais pressão sobre Dilma.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM