Jornal do Commercio
ACORDO

Lúcio Funaro, amigo de Cunha, está disposto a fazer delação premiada

Os dois atuam em parceria há muitos anos. Lúcio Funaro foi preso nesta sexta-feira (1º), na Operação Lava Jato

Publicado em 01/07/2016, às 10h04

Funaro comunicou ao seu advogado que iria procurar o criminalista Antonio Figueiredo, especialista em acordos de colaboração / Foto: Reprodução
Funaro comunicou ao seu advogado que iria procurar o criminalista Antonio Figueiredo, especialista em acordos de colaboração
Foto: Reprodução
Estadão Conteúdo

O lobista Lúcio Bolonha Funaro, preso nesta sexta-feira (1º), na Operação Lava Jato, está disposto a fazer uma delação premiada. No início da semana, Funaro comunicou ao seu advogado que iria procurar o criminalista Antonio Figueiredo Basto, especialista em acordos de colaboração.

Lúcio Funaro é amigo do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Os dois atuam em parceria há muitos anos.

A nova etapa da Lava Jato tem origem em duas delações premiadas: a do ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto e a do ex-diretor de Relações Institucionais do Grupo Hypermarcas Nelson Mello. Os delatores citam Lúcio Funaro.

Em delação, Fabio Cleto afirmou, por exemplo, que Eduardo Cunha ficou com 1% de negócio de R$ 940 milhões aprovado pelo FI-FGTS com a empresa Eldorado, do Grupo JBS.



Negócios de interesse do PT

Nos depoimentos de delação premiada, Cleto também disse que Cunha decidia quais empresas deveriam receber aportes do Fundo de Investimento do FGTS. Ao tomar conhecimento dos valores pleiteados pelas companhias, explicou o colaborador, o deputado indicava quais lhe interessavam e pedia que Cleto trabalhasse para aprová-los.

Conforme fonte com acesso às investigações relatou à reportagem, Cunha mandava reprovar os investimentos que fossem de interesse do PT. Nesses casos, a ordem do deputado seria para "melar" os aportes.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM