Jornal do Commercio
Rio

Juiz afirma que Garotinho usa blog para 'atacar autoridades'

Para juiz, o ex-governador do Rio de Janeiro difunde 'falácias à popução em geral'

Publicado em 05/06/2017, às 18h35

Juiz afirma que Anthony Garotinho usa internet para difundir mentiras / Foto: Agência Câmara
Juiz afirma que Anthony Garotinho usa internet para difundir mentiras
Foto: Agência Câmara
Estadão Conteúdo

O juiz Glaucenir Silva de Oliveira, da 100ª Zona Eleitoral de Campos dos Goytacazes, norte do Rio, afirmou, por meio de despacho que indeferiu prisão preventiva de Anthony Garotinho (PR), que o ex-governador do Rio usa seu blog para "atacar autoridades" e para difundir "falácias à população em geral". O magistrado ainda criticou decisões do Tribunal Superior Eleitoral que, segundo ele, "autorizaram" o que chamou de "conduta execrável" de Garotinho em seu veículo de comunicação.

O Ministério Público Estadual em Campos havia pedido à Justiça Eleitoral que decretasse a prisão preventiva do ex-governador.

Sob suspeita de usar um programa assistencial chamado "Cheque Cidadão" para fraudar a eleição municipal de Campos no ano passado, Garotinho é acusado pelo promotor de Justiça Leandro Manhães de ameaçar uma testemunha, por meio de terceiros.

A suposta ameaça foi relatada pela radialista Elizabeth Gonçalves em depoimento à polícia em maio. Outra acusação feita pelo promotor é de que Garotinho esteja usando seu blog para atacar testemunhas ainda não ouvidas no processo. O promotor pediu a prisão do ex-governador.

O juiz eleitoral Glaucenir Silva de Oliveira foi o responsável pela prisão preventiva de Garotinho no âmbito da mesma ação, posteriormente revogada. Ele chegou a afirmar que teria recebido propostas de propina da defesa de Garotinho para evitar a prisão do ex-governador. Por causa dessa denúncia, o advogado Fernando Fernandes recorreu à Justiça pedindo que determinasse o magistrado impedido de julgar Garotinho.



O juiz indeferiu o pedido de prisão, alegando que, apesar de "verídicos os fatos narrados" pelo Ministério Público, o pedido não cumpre com "requisitos" previstos em lei que justifiquem a prisão o ex-governador.

"A prisão preventiva pode e deve ser decretada ou mantida quando se evidencie a necessidade e de acordo com os requisitos permissivos extrinsecos elencados no artigo 312 do Código de Processo Penal, o que não verifico neste momento, pelos motivos apresentados na promoção do Ministério Público do Estado, muito embora sejam verídicos e preocupantes os fatos narrados no requerimento ministerial", anota o magistrado.

Glaucenir ainda lembra no despacho que decisão do TSE sobre recurso de Garotinho o autorizou a se manifestar sobre os autos. Ele, no entanto, ressalta a "conduta execrável" de Garotinho, no uso de seu blog. "Com toda vênia ao decisum de instância superior, não consigo enxergar como poderia o réu usar matérias nada jornalísticas para atacar autoridades que funcionam na persecução penal e veicular uma série de falácias dirigidas à população em geral".

"Note-se que recentemente o réu, com apoio de um seu colaborador e usando de veículo de comunicação, como salientado pelo Ministério Público, incitou o povo campista a fazer manifestação contra o Ministério Público, em frente de sua sede própria, valendo notar que, conforme foi divulgado na imprensa, apenas compareceram cerca de uma dúzia de pessoas, frustrando suas intenções", afirma.

Defesa

A defesa do ex-governador Anthony Garotinho representada pelo advogado Fernando Augusto Fernandes vem de forma pública rebater os termos depreciativos e impolidos que o juiz substituto de Campos de Goytacazes, Glaucemir Silva de Oliveira utilizou em sua decisão sobre a exceção de impedimento formalizada. Segundo a defesa, as razões para o impedimento são objetivas e decorrem como represália à notícia crime encaminhada pelo juiz após a soltura pelo Tribunal Superior Eleitoral do ex-governador e do ingresso de notícia crime por denunciação caluniosa contra o juiz Glaucemir Silva de Oliveira. Fernando Fernandes esclarece, que a defesa tem se portado de maneira combativa contra as ilegalidades cometidas em Campos, todas reconhecidas pelo Superior Tribunal Eleitoral. "O Tribunal já revogou a prisão do ex-governador, após cenas de máxima arbitrariedade cometida pelo juiz Glaucemir, que o arrancou de um hospital, o TSE ainda determinou o fim da censura contra ex-governador e o retorno dos vereadores afastados pelos juízes da 100ª Zona eleitoral de Campos dos Goytacazes", conclui.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM