Jornal do Commercio
DELAÇÃO PREMIADA

Janot deve rever benefícios dados a delatores da JBS ainda este mês

Novos áudios de conversa entre Joesley Batista e Ricardo Saud podem mudar entendimento sobre imunidade

Publicado em 06/09/2017, às 16h57

O procurador abriu inquérito para investigar o teor das novas gravações e a possível omissão de provas por parte dos colaboradores / Foto: Agência Brasil
O procurador abriu inquérito para investigar o teor das novas gravações e a possível omissão de provas por parte dos colaboradores
Foto: Agência Brasil
JC Online

 O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve rever os benefícios concedidos aos delatores da JBS até o fim do mandato, no dia 17 deste mês. De acordo com o jornal Folha de São Paulo, a Procuradoria-Geral da República entende que houve descumprimento de duas cláusulas do acordo de delação premiada por omissão e má-fé.

Nas novas gravações, divulgadas pelo Supremo Tribunal Federal, nesta quarta-feira (6), o empresário Joesley Batista e o ex-diretor da JBS, Ricardo Saud, chegam a afirmar que não serão presos e se auto-intitulam como 'joias da coroa'.

O procurador abriu inquérito para investigar o teor das novas gravações e a possível omissão de provas por parte dos colaboradores ao Ministério Público.



No entendimento do órgão, segundo a Folha de São Paulo, mexer nos benefícios não invalida as provas apresentadas. Isso significa que investigações iniciadas a partir da delação, como a denúncia que deverá ser apresentada contra o presidente Michel Temer, vão continuar.

Benefícios

Mesmo após a revelação de crimes de corrupção, os delatores não chegaram ser condenados e fecharam uma negociação para o pagamento de dívida milionária ao longo de dez anos. A situação gerou uma série de críticas à condução do acordo firmado por Janot. Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) já sinalizaram hoje que os benefícios do acordo devem ser alterados, mas sem prejuízo às investigações. Após a saída de Janot, Raquel Dodge conduzirá a PGR.

Nas novas gravações, Joesley e Saud citam o interesse no ex-procurador Marcelo Miller como fio condutor até Janot e o Ministéio Público. Miller é investigado por ter tentado atrapalhar o fechamento do acordo de delação premiada.

 

 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM