Jornal do Commercio
POLÊMICA

Após polêmica sobre salário, ministra dos direitos humanos diz que 'é pobre'

A polêmica em torno do salário de Luislinda veio à tona após pedir pagamento de R$ 61 mil

Publicado em 13/11/2017, às 13h10

Luislinda queria receber a soma de sua remuneração como ministra com a aposentadoria como desembargadora / Foto: Reprodução
Luislinda queria receber a soma de sua remuneração como ministra com a aposentadoria como desembargadora
Foto: Reprodução
Estadão Conteúdo

Após a polêmica envolvendo seu salário, a ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois (PSDB), afirmou nesta segunda-feira, 13, que é "preta, pobre e da periferia". A declaração foi feita em discurso, ao lado do presidente Michel Temer, na cerimônia de lançamento do Programa Emergencial de Ações Sociais para o Estado do Rio de Janeiro e Municípios, numa unidade da Marinha do Brasil na Avenida Brasil, zona norte do Rio.

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério do Desenvolvimento Social, o programa emergencial terá investimento total de R$ 157 milhões no Rio, com ações nas áreas de justiça, educação, esporte e direitos humanos. Projetos de vários ministérios estão envolvidos, incluindo a pasta de Luislinda. "Vamos aumentar esses números (de beneficiários de programas sociais) para o Rio de Janeiro e para o Brasil todo também. Sou preta, pobre e da periferia e sei o que é viver longe dos grandes centros", afirmou Luislinda, completando que o programa emergencial é baseado em "compromissos reais".



Polêmica

A polêmica em torno do salário de Luislinda veio à tona após a Coluna do Estadão revelar a insatisfação da ministra com o valor de seu contracheque. Conforme a reportagem, Luislinda protocolou um pedido ao governo no qual alegava fazer trabalho escravo por não receber R$ 61 mil, valor que seria a soma de sua remuneração como ministra com a aposentadoria como desembargadora. Se o pleito da ministra fosse atendido, ela receberia além do teto constitucional, que é de R$ 33,7 mil, violando a legislação.

 


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Francisco,14/11/2017

Acho pobre de espirito e muito ingenua, até hoje nenhum ministro falou que ganha pouco, porque quando eles entram lá o salario é o menos importante, basta ver que o Min. Geddel Vieira Lima saiu do ministerio com um volume acumilado de 51mil.

Por John,13/11/2017

Que cara de pau...

Por LUIZ ,13/11/2017

ESSA SENHORA DEVE SER POBRE SIM ! , MAS DE ESPÍRITO ! ESSA ´´ COISA ´´ NÃO SABE O QUE É POBREZA ! POBREZA É VIVER NUM PAÍS ESCULHAMBADO E DOMINADO POR POLÍTICOS CORRUPTOS .

Por José Valdemar Pereira ,13/11/2017

Como uma criatura dessa chegou ao cargo de ministra. Ela é pobre de espírito, pois num país de salário mínimo de R$937,00 por mês, como ela deseja ganhar R$61.000,00 (sessenta e um mil reais)!

Por atina,13/11/2017

Esta senhora deveria ter vergonha na cara de falar isto. Ela é realmente pobre de espírito. Ela deveria experimentar trabalhar 8h por dia, 6 dias da semana, só tira 20 dias de férias no ano e receber um salário mínimo, pra ver o que é trabalho escravo e não ter dinheiro pra pagar as contas.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM