Jornal do Commercio
MAL-ESTAR

Temer e aliados se recusam a levantar para o Moro durante prêmio

Juiz responsável pela Lava Jato, Sérgio Moro foi eleito o brasileiro de 2017 e dividiu o palco com políticos citados em investigações de corrupção

Publicado em 07/12/2017, às 11h36

O juiz Sérgio Moro recebeu o título de brasileiro de 2017 / Foto: Marcos Corrêa/PR
O juiz Sérgio Moro recebeu o título de brasileiro de 2017
Foto: Marcos Corrêa/PR
Da Editoria de Política

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela operação Lava Jato em primeira instância, foi o grande homenageado da noite, no prêmio Brasileiros do Ano, promovido pela revista IstoÉ, na terça-feira (5), em São Paulo.

Políticos que foram alvo do magistrado, durante as investigações da força-tarefa, também estavam presentes, incluindo o presidente da República, Michel Temer, o ministro da Secretaria-Geral, Moreira Franco, e o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Eles chegaram a dividir o palco com Moro.

No entanto, no momento em que o juiz foi chamado a receber o título de brasileiro de 2017, tanto Temer quanto seus aliados se recusaram a levantar para aplaudi-lo, segundo informações do portal UOL. Houve constrangimento entre os presentes.

Durante toda a noite de ontem, Moro evitou contato com políticos, ao contrário do que fez no ano passado, quando também participou da premiação e foi fotografado em uma conversa animada com o senador Aécio Neves (PSDB-MG).



Meses depois, o mineiro seria um dos principais alvos da delação da JBS e teria até um pedido de prisão feito pela Procuradoria-Geral da República.

Moro cita Temer durante sua fala

"Eu diria que mais que uma questão de justiça, é questão de política de Estado. Eu queria dizer para o presidente Temer utilizar o seu poder para influenciar que esse precedente jurídico não seja alterado", disse Moro, durante seu discurso, ao defender que condenados na segunda instância possam ser presos.

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), o candidato ao governo de São Paulo em 2014 Paulo Skaf (PMDB), ambos citados na delação da Odebrecht, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), o senador Alvaro Dias (Podemos-PR), o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), e o apresentador Luciano Huck também estavam presentes.

Ao fazer a defesa do fim do foro privilegiado, Moro causou um outro momento de constrangimento entre os políticos. Temer, Eunício e Moreira Franco não aplaudiram, mais uma vez, a proposta do magistrado. O juiz foi ovacionado ao dizer que o foro garante "privilégios às pessoas mais poderosas". Ele reclamou que os processos de autoridades com foro "tramitam lentamente". "Seria relevante eliminar completamente o foro ou trazer uma restrição Ao foro", defendeu. Moro disse ainda ser contrário que magistrados tenham foro. "Não quero esse privilégio para mim", afirmou.


Palavras-chave


Comentários

Por Cesar,07/12/2017

Além de corruptos, são mal educados e sínicos, pois todos deveriam está presos, pelo montante de denuncias que existem.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM