Jornal do Commercio
Ação

Fiesp recolhe o pato e infla sapo gigante em ação contra juros

O sapo de cinco metros de altura surgiu na Avenida Paulista, para recepcionar representantes de sindicatos e entidades em evento

Publicado em 13/03/2018, às 20h21

O ditado
O ditado "Não Vou Pagar o Pato", para combater o aumento de impostos, sai de cena para dar espaço ao "Chega de Engolir o Sapo", que elege como vilão nacional a taxa de juros
Foto: Divulgação/Fiesp
Estadão Conteúdo

A Federação da Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp) trocou o pato por sapo como animal símbolo de suas campanhas. Nesta terça-feira, 13, o pato amarelo que virou um dos símbolos durante os movimentos pelo impeachment de Dilma Roussef foi desinflado e, no lugar, um sapo de cinco metros de altura surgiu na sede da Fiesp, na Avenida Paulista, para recepcionar representantes de sindicatos e entidades em evento que marcou o início da ação.

Além do bicho, a Fiesp também mudou de causa e, consequentemente, de slogan. O ditado "Não Vou Pagar o Pato", para combater o aumento de impostos, sai de cena para dar espaço ao "Chega de Engolir o Sapo", que elege como vilão nacional a taxa de juros cobrada de empresas e de consumidores.

"O Sapo inicia hoje sua carreira", afirma Skaf. Segundo ele, a luta da Fiesp agora será contra os bancos. "Os juros brasileiros são absurdos. O spread bancário (a diferença entre o que o valor que o banco capta no mercado e repassa para o consumidor) é um dos maiores do mundo no Brasil", diz ele.



Segundo Skaf, uma pesquisa recentemente conduzida pela Fiesp aponta a distância entre o que paga uma aplicação financeira básica, a caderneta de poupança, e o que é cobrado pelo cheque especial. Segundo ele, a pessoa que tivesse depositado dez anos atrás R$ 100 na caderneta teria hoje R$ 198,03, enquanto uma dívida de R$ 100 também contraída dez anos atrás representaria hoje R$ 4.394.136,97.

Como parte da divulgação da nova campanha, a Fiesp distribui miniaturas de sapos na porta dos bancos da Avenida Paulista e soltou balões infláveis na seda da instituição.

Pato

O presidente da Fiesp não admite, entretanto, que tenha aposentando o pato ou a campanha contra carga tributária. Segundo ele, o bicho pode voltar, caso a pauta dos impostos retome espaço na agenda do governo. "A gente considera que o pato cumpriu bem o papel e evitou aumentos de impostos. Ele não está aposentado, mas recolhido neste momento", diz.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por ronaldo,14/03/2018

Eu pensei que eles iriam colocar uns ratos,simbolizando significativa parte dos empresários e banqueiros!!! Como esse pessoal é "seletivo"!!!!

Por JUROS BAIXOS PARA QUEM ?,13/03/2018

Interessante pobre achar que baixando os impostos alguma coisa vai melhorar para os menos abastados. No governo Lula houve redução do IPI e se achou na época que os preços de carros e eletrodomésticos reduziriam , ledo engano o povo continuou pagando os preços lá em cima e os empresários ganharam ainda mais dinheiro.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe
As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM