Jornal do Commercio
Lula

Contra prisão em 2ª instância, PT e Temer podem estar juntos novamente

Após a prisão de Lula, há o temor de que os aliados do presidente sejam atingidos

Publicado em 13/04/2018, às 08h52

 pode estar junto ao PT novamente em combate à prisão em segunda instância / Foto: Ricardo Stuckert/Institut
pode estar junto ao PT novamente em combate à prisão em segunda instância
Foto: Ricardo Stuckert/Institut
JC Online
Com informações do Estado de S.Paulo

Após a prisão do ex-presidente Lula depois da condenação em segunda instância no Supremo Tribunal Federal (STF), o Partido dos Trabalhadores (PT) e o Palácio do Planalto podem estar unidos para barrar o cárcere neste tipo de julgamento. De acordo com o Jornal O Estado de S.Paulo, o acordo entre a sigla e a representação executiva brasileira foi estabelecido antes do pedido de habeas corpus do líder petista ser negado.

O presidente Michel Temer e o ex-presidente Lula, em embates após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, há quase dois anos, parecem estar cada vez mais próximos. Para estabelecer o acordo, o ex-assessor Temer, Sandro Mabel, foi convocado para que os aliados do presidente não sejam atingidos como Lula foi.

Segundo a reportagem, publicada na edição desta sexta-feira (13), um das coisas que foi estabelecida no acordo é a pressão sobre o ministro Alexandre de Moraes, que é a favor da prisão após a segunda instância. Ele foi nomeado por Temer ao Supremo. Inclusive, Moraes esteve nesta semana com aliados de Lula, sendo o presidente do PT-SP, Luiz Marinho e o ex-ministro Gilberto Carvalho. Gilmar Mendes, contra a execução penal neste caso, também esteve no encontro para debater sobre o julgamento.

A matéria afima que um dos interlocutores do ministro contou que o assunto entre os petistas se trata apenas de soltar Lula e esatabelecer diálogos. Moraes explicou que todas as suas agendas "são públicas", tentando desviar da pressão sobre os encontros com os petistas.



Nos últimos encontros entre os ministros e os políticos do Partido dos Trabalhadores e aliados de Temer, as relações entre as duas partidas - que antes estavam em caminhos opostos -, parecem estar entrelaçados em busca de um único objetivo: consigar livrar seus respectivos aliados da prisão após serem alvos das investigações da Lava Jato.

Temer e Lula

No dia 29 de março, Temer chegou a enviar uma nota à Lula, que dá a entender um apoio ao líder petista, após a prisão dos seus ex-assessores José Yunes e coronel João Baptista Lima Filho. Na publicação, o presidente diz que não apoia a o cerceamento da livre vontade do povo, contra a possível prisão de Lula, que ainda não estava em cárcere. 

Além disso, uma das alternativas do PT é pressionar os parlamentares para conseguir o apoio suficiente para tentar libertar Lula da prisão. 

 

 


Recomendados para você


Comentários

Por Carlos Costa,13/04/2018

Seria bom que prendessem os babacas ou seus entes em segunda instância e que a polícia metesse o pau, queria ver se estes não mudavam de opinião para prisão só no trânsito em julgado.

Por ROLDS,13/04/2018

As facções do PT e MDB sempre foram unidas para defender a corrupção no Brasil, eles agora se unem num propósito de proibir a prisão após julgamento em 2ª instância. A luta será complicada, pois ainda temos contra a prisão o quinteto fantástico do Supremo Tribunal Federal, Gilmar, Tofolli, Marcos Aurélio, Celso de Mello e o Ricardo Lewandowski. A população precisa se conscientizar de buscar opção de voto para candidatos que não pertençam aos principais partidos que dominam a corrupção no País, tais como PT, MDB, PSDB, PSB e seus puxadinhos. Votem em candidatos jovens ou mulheres para que hajam uma renovação maior de políticos.

Por Lopes,13/04/2018

C A N A L H A S

Por José Marcos,13/04/2018

'Trânsito em Julgado', uma ova. Tal coisa se dá no âmbito da Primeira e Segunda Instâncias, visto que STJ e STF não tratam de provas criminais. Somente babacas e mal-intencionados, como defensoria pública e OAB (clubinho defensores de quem tem dinheiro), e alguns, vêm com essa balela. Com relação a união PT e MDB, nada de novo nesse país onde ladrões buscam a impunidade. O que me dói é esse POVINHO bocó ainda acreditando nessa gente e dando-lhes (aos ladrões) voto como mostram as pesquisas. Depois reclamam que faltam educação, saúde, segurança e emprego. É pra tomar no CU, povinho.

Por Silvio Dias,13/04/2018

Identifico uma deliberada confusão entre política e políticos, que visa a criminalização da política. Constato que essa ação cria uma falsa ideia de que os poderes Legislativo e Executivo por serem composto por políticos, devem permanecer sob constante suspeição. Ao passo que, ao poder Judiciário, se cria o mito da infalibilidade que nem mesmo o atual papa admite para a figura papal. A Constituição Brasileira pode ser alterada, podemos inclusive convocar uma nova Constituinte, mas até lá, deve ser respeitada. O direito a liberdade até o transito em julgado, não pode ser revogado desta maneira.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe
As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM