Jornal do Commercio
Eleições 2018

Justiça Eleitoral não conseguirá combater fake news, dizem juristas

"Desde que o mundo é mundo, as pessoas mentem", afirmou Marcelo Ribeiro

Publicado em 11/05/2018, às 16h21

O controle da Justiça Eleitoral sobre as fake news pode esbarrar na liberdade de expressão dos cidadãos / Foto: U.Dettmar/TSE
O controle da Justiça Eleitoral sobre as fake news pode esbarrar na liberdade de expressão dos cidadãos
Foto: U.Dettmar/TSE
Estadão Conteúdo

As eleições presidenciais deste ano no Brasil serão contaminadas pelas chamadas "fake news" e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não conseguirá combater a disseminação de notícias falsas no pleito, conforme análise de juristas em debate na capital paulista.

Para o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Marcelo Ribeiro, é impossível controlar a disseminação de notícias falsas durante a eleição. "Acho que é impossível. Desde que o mundo é mundo, as pessoas mentem", afirmou, durante o Encontro de Lideranças Nacionais, organizado pelo escritório Bonini Guedes na capital paulista. O jurista diz que uso da tecnologia pode minorar o problema, assim como os recursos são usadas para disseminação de informações inverídicas.

O ministro do TSE Admar Gonzaga afirmou que as "fake news" não devem ser o principal problema da eleição. "Não me preocupa a questão da fake news, eu acho que isso vai acabar se resolvendo com tecnologia", disse. Para ele, o controle ficará a cargo do cidadão. "Isso sempre existiu e nós, cidadãos deste mundo moderno que mal começou, nessa novação ambiência, vamos ter que nos acostumar a nos defender desse tipo de ataque."



Liberdade de expressão

O controle da Justiça Eleitoral sobre as fake news pode esbarrar na liberdade de expressão dos cidadãos. "Eu não acredito que a liberdade de expressão seja a todo custo que nós devemos observar sem qualquer exceção", afirmou Ribeiro. "Deve haver controle estatal, embora esse controle sempre será ineficiente. Não vai conseguir cortar o problema. Vai conseguir minorar, talvez", disse.

O estrategista político americano Arick Wierson - que trabalhou para o ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg - afirmou que o uso das "fake news" é uma realidade consolidada nas eleições no Brasil e no mundo todo. "Só vai crescer", apontou.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM