Jornal do Commercio
REPASSES

PF afirma que Gleisi recebeu R$ 885 mil em propina na Lava Jato

Gleisi Hoffman teria recebido cinco repasses, que podem ser enquadrados como corrupção e lavagem de dinheiro

Publicado em 17/05/2018, às 13h07

Quatro repasses citados, segundo a PF, estão relacionados a empresa Consist, investigada na operação Custo Brasil, desdobramento da Lava Jato em São Paulo / Foto: EBC
Quatro repasses citados, segundo a PF, estão relacionados a empresa Consist, investigada na operação Custo Brasil, desdobramento da Lava Jato em São Paulo
Foto: EBC
Estadão Conteúdo

A Polícia Federal (PF) concluiu no inquérito em que investiga a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) que foram encontradas evidências de que a presidente nacional do PT recebeu R$ 885 mil de um esquema de corrupção alvo da Lava Jato

No relatório final do caso, enviado ao ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), o delegado Ricardo Hiroshi Ishida apresenta cinco repasses de valores que teriam sido recebidos pela senadora e que podem ser enquadrados nos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

Quatro repasses citados, segundo a PF, estão relacionados a empresa Consist, investigada na operação Custo Brasil, desdobramento da Lava Jato em São Paulo. O quinto, no valor de R$ 300 mil, teria como origem a empresa TAM Linhas Aéreas, mas os documentos sobre o pagamento também foram apreendidos na Custo Brasil.

Todos os pagamentos, segundo a PF, foram efetuados por meio do escritório do advogado Guilherme Gonçalves, que atuou para a senadora e para seu marido, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo.

Na operação, deflagrada em 23 de junho de 2017, foi preso Paulo Bernardo - solto seis dias depois por ordem do ministro do STF Dias Toffoli. O alvo da investigação é a assinatura de um contrato entre o Ministério do Planejamento, o Sindicato Nacional das Entidades Abertas de Previdência Complementar (SINAPP) e a Associação Brasileira de Bancos (ABBC).

O objeto do contrato era a gestão de empréstimos bancários consignados para evitar que trabalhadores excedessem a cota permitida por lei. Após a assinatura do contrato, as entidades contrataram a Consist Software Ltda.

O esquema criminoso envolvendo a Consist, segundo a PF, teria desviado cerca de R$ 100 milhões de contrato assinado quando Paulo Bernardo, marido da presidente do PT, era ministro do Planejamento. Ele ocupou o cargo entre 2005 e 2011.

Ao analisar planilhas apreendidas na operação, ouvir pessoas envolvidas e mapear o caminho do dinheiro por meio de quebra s de sigilo, a PF encontrou indícios de que, juntos, o casal Gleisi e Paulo Bernardo e pessoas ligadas a ele receberam cerca de R$ 7 milhões do "fundo consist".



"Tais pagamentos aparecem como tendo sido feitos regularmente pelo escritório de Guilherme Gonçalves, mas na realidade tratavam-se de valores de corrupção recebidos pelo escritório de Guilherme Gonçalves", explica o delegado no relatório.

Repasses

Além dos valores repassados para Gleisi Hoffman, a PF mapeou que o "fundo consist" foi utilizado para pagar pessoas próximas a senadora - e, também, para custear gastos de sua família. Ouvido no inquérito, um dos funcionários do escritório de Guilherme Gonçalves, Luis Henrique Bender, afirmou que seu patrão pagava os honorários para um advogado de Paulo Bernardo.

Além disso, segundo Bender, em determinada ocasião, Gonçalves solicitou que ele comprasse um videogame Nintendo 3DS "para o filho do ministro". De acordo com Bender, o único ministro que frequentava o escritório era Bernardo.

TAM

Ouvido sobre o repasse de R$ 300 mil da TAM para seu escritório, o advogado Guilherme Gonçalves confirmou que não houve prestação de serviços por parte de seu escritório. Segundo ele, o valor teria "sido pagamento de honorários de campanha de Gleisi Hoffman em 2010".

A informação sobre o pagamento foi encontrada pela PF em uma planilha chamada "eleitoral Gleisi" apreendida com o advogado Guilherme Gonçalves na Custo Brasil. O ex-presidente da TAM Marco Bologna foi ouvido duas vezes pelos investigadores. Na primeira, não soube das explicações sobre a contratação do escritório de advocacia de Gonçalves.

No segundo testemunho, Bologna disse que o ex-diretor Jurídico da empresa poderia ter mais informações e acrescentou que não havia motivo ou contrapartida para fazer pagamento à senadora e seu marido. Ouvido, o ex-diretor jurídico Luiz Cláudio Mattos afirmou que Bologna foi responsável pela indicação para contratação do escritório de Guilherme Gonçalves.

Procurada, a assessoria de Gleisi Hoffman não respondeu aos contatos feitos pela da reportagem. O espaço está aberto para manifestações.

 


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Luiz Félix de Freitas Silva,17/05/2018

É notoriamente sabido que essa tal de Crazy Hoffmann não é nenhuma santa. Já dava para desconfiar a defesa dela em torno do chefão. Essa capeta é tão bandida quanto o luladrão. Esse PT é uma vergonha nacional. Tem bandido por toda parte. É tão nojento que uma fossa pública perto desse maldito PT é um poço de água mineral. E o pior! Não aparece nenhum salvador da pátria para tirar nossa nação das mãos desses criminosos do colarinho sujo. Um brasileiro revoltado. Luiz Félix.

Por PELOS BANQUEIROS TUDO.,17/05/2018

Senão tivesse nada arrumava, pois a nossa justiço dos banqueiros gosta do PT.

Por JOSÉ CARLOS ARRUDA,17/05/2018

ESTÁ AI A EVIDÊNCIA DOS ROUBOS DESSA BANDIDA QUE DEFENDE TANTO O CHEFÃO DA QUADRILHA, QUERO VER SE ESSES MINISTROS DO JUDICIÁRIO IRÃO PASSAR AS MÃOS NOS ROUBOS DESSA CORRUPTA, BANDIDA E LADRA DOS COFRES DO PAÍS, TEM QUE IR PARA A CADEIA.

Por Lúcio Lima,17/05/2018

Dava para desconfiar, ela defende muito Lula, querendo livra-lo e por tabela tentar se livrar junto com o Marido do roubo dos consignados dos aposentados, essa translocada vai para cadeia fazer companhia ao rei dos corruptos que já esta preso.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM