Jornal do Commercio
DEPUTADO FEDERAL

Bolsonaro pede ao STF absolvição sumária em denúncia por racismo

A defesa do deputado pediu a absolvição sumária dele pelo crime de racismo contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs

Publicado em 22/06/2018, às 22h54

A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou o parlamentar em abril / Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou o parlamentar em abril
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

A defesa do deputado federal e pré-candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL-RJ), enviou manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a absolvição sumária do político pelo crime de racismo contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs. A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou o parlamentar em abril.

De acordo com a denúncia, em uma palestra no Clube Hebraica do Rio de Janeiro, em abril de 2017, Bolsonaro, em pouco mais de uma hora de discurso, "usou expressões de cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais". A defesa do deputado, por outro lado, afirma que as declarações não configuram crime, apenas sua opinião política, em "diálogo mantido com o seu eleitorado".

Defesa

Os advogados de Bolsonaro argumentam que a denúncia foi feita de forma precipitada e com "certo oportunismo diante da campanha eleitoral". As acusações são apontadas como genéricas, porque não teriam, segundo os defensores do político, especificado como Bolsonaro "praticou, induziu e/ou incitou, a discriminação e/ou preconceito contra a comunidade quilombola e estrangeiros".



"Isso aqui é só reserva indígena, tá faltando quilombolas, que é outra brincadeira. Eu fui em um quilombola em El Dourado Paulista. Olha, o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador eles servem mais. Mais de um bilhão de reais por ano gastado com eles", disse Bolsonaro na ocasião.

Os advogados repetem a ideia de que a PGR está buscando "criminalizar o pensamento" de Bolsonaro, que, embora possa causar "incômodo", não encontra nenhuma vedação legal, afirmam.

"Cita-se, como exemplo, as afirmações feitas sobre a comunidade LGBT, união homoafetiva e mulheres. Tais dizeres, porém, conforme admitido pela própria D. Procuradora Geral da República, além de não serem criminalizados pela legislação pátria, somente traduzem a opinião política do parlamentar sobre assuntos que, ainda que polêmicos, importam à pauta nacional", diz a defesa.

Palavras-chave




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM