Jornal do Commercio
ECAD

Classe artística é contra isenção de taxa de direito autoral em hotéis

O grupo parlamentar que representa nomes como Caetano Veloso e Chico Buarque, lutra contra o projeto de lei que isenta os hotéis da taxa do Ecad

Publicado em 12/07/2018, às 14h31

Criado pela senadora Ana Amélia, o PL afirma que as músicas tocadas dentro do quarto de hotéis, motéis e pousada não podem ser considerados como execução pública / Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Criado pela senadora Ana Amélia, o PL afirma que as músicas tocadas dentro do quarto de hotéis, motéis e pousada não podem ser considerados como execução pública
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Estadão Conteúdo

O Grupo de Ação Parlamentar (GAP) Pró-Música, associação da classe artística que representa nomes como Caetano Veloso, Chico Buarque e Alceu Valença, se juntou à luta contra um projeto de lei que prevê a isenção de estabelecimentos de hotelaria do pagamento de direitos autorais ao Ecad.

Na quarta-feira (11) o senador Humberto Costa (PT-PE) pediu vistas do projeto na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado, depois de manifestação do GAP. Segundo a assessoria de imprensa do senador, o projeto deve voltar à Comissão após o recesso parlamentar, em agosto.

O Projeto de Lei do Senado (PLS) 206/2012, de autoria da senadora Ana Amélia (PP-RS), muda a lei dos direitos autorais para afirmar que o uso de músicas dentro de quartos de hotéis, motéis e pousadas não pode ser considerado como execução pública. O entendimento é inspirado na Política Nacional de Turismo (Lei 11771/2008), que entende os quartos de hotéis como locais de frequência individual, o que não se encaixaria no princípio de "execução pública".



Discordância do projeto

Em uma nota publicada nas redes sociais, o GAP detalhou sua discordância do projeto. "Trata-se de um Projeto de Lei que se encontra em contradição com preceitos fundamentais consagrados pela legislação vigente e que, ao desconsiderar os fatos implicados e a abrangência de suas consequências, ao desconsiderar direitos que zelam e regulam a atividade criativa no País, acarretaria grave prejuízo para a cadeia criativa e produtiva da música brasileira, atingindo incontáveis autores que têm como sua única fonte de proventos, o recolhimento de seus direitos autorais patrimoniais", diz o comunicado do dia 1 º de julho.

O senador Humberto Costa também usou as redes sociais para manifestar sua discordância. "O empresário deixa de recolher ao Ecad aquilo que deve em direitos autorais, aumentando suas margens de lucros, em prejuízo da criação intelectual", explicou

O GAP Pró-Música é uma associação que existe desde 2006 para participar da formulação da legislação sobre música no Brasil no Congresso. Entre outros nomes que assinam o comunicado mais recente, estão Roberto Carlos, Gilberto Gil, Djavan, Leo Jaime e Marisa Monte.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.
JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM