Jornal do Commercio
PLDO

Congresso aprova Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2019

Congressistas derrubaram o veto ao reajuste dos servidores no ano que vem, o que pode complicar ainda mais o equilíbrio das contas do governo

Publicado em 12/07/2018, às 00h35

Por volta de 0h30, o parlamento ainda votava destaques / Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Por volta de 0h30, o parlamento ainda votava destaques
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
JC Online

O Congresso Nacional aprovou o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2019, na noite dessa quarta-feira (11), mas derrubou um dos principais pilares do texto que passou na Comissão Mista de Orçamento (CMO). Em destaque apresentado no plenário pelo PT, os congressistas derrubaram o veto ao reajuste dos servidores no ano que vem, o que pode complicar ainda mais o equilíbrio das contas do governo no primeiro ano do próximo presidente da República, que será eleito em outubro. Por volta de 0h30, o parlamento ainda votava destaques.

A aprovação abriu espaço para antecipar o recesso parlamentar em uma semana. O projeto enfrentava resistência por uma série de restrições fiscais incluídas pelo relator, Darílio Beber (PSDB-SC), sendo uma delas justamente a que impedia reajustes para servidores e criação de cargos no próximo ano, com limite para uma série de concursos.[

Os parlamentares também retiraram do projeto obrigatoriedade de redução de 5% que os órgãos públicos teriam de promover em suas despesas administrativas de acordo com o texto original.

Antes da votação, ainda nas negociações pré-sessão, não havia consenso nem mesmo na base do governo. O próprio líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), foi um dos que articularam o artigo suspendendo o reajuste salarial do funcionalismo.

A perspectiva era que deputados e senadores ainda tentassem modificar mais pontos no plenário.
A LDO funciona como uma diretriz de parâmetros para o Orçamento do ano que vem, que tem de ser enviado para o Legislativo até agosto. Para 2019, o texto prevê um déficit de R$ 139 bilhões nas contas públicas.
O projeto utiliza como referência os dados enviados pelo governo no início do ano, que incluem um salário mínimo de R$ 1.002.

A própria equipe técnica da Comissão de Orçamento, no entanto, já emitiu um parecer ponderando que esse valor ficará menor, em R$ 998. Isso porque o mínimo é calculado com base em uma fórmula que considera a inflação do ano anterior, além do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.



Assim, as oscilações na previsão de inflação para 2018 alteram o patamar da remuneração. O número terá de ser novamente calculado para incorporar os efeitos da greve dos caminhoneiros, que gerou um repique nos índices de preço.

Na CMO, o texto foi aprovado mantendo as restrições, mas com vários trechos suavizados. Pelo parecer, que foi mantido pela Comissão, o Congresso ficaria proibido de aprovar projetos de lei, e o governo, de editar medidas provisórias para conceder qualquer vantagem ou aumento de remuneração, criação de cargos e funções ou alteração na estrutura de carreira.

Na votação dessa quarta-feira, contudo, os parlamentares suavizaram esse ponto e definiram que, no caso de um novo governo decidir alterar esse dispositivo, deverá ser priorizada a reestruturação das carreiras de reforma e desenvolvimento agrário do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Contratações

Além disso, o texto aprovado aumentava a lista de exceções para novas contratações. Foram incluídas, por exemplo, reposições para cargos vagos de diplomata. O projeto já previa que reposições para educação, saúde e segurança pública poderiam ser permitidas, desde que esses postos tivessem ficado vagos entre a publicação do teto dos gastos, em dezembro de 2016, e o fim de 2018.

Também ficaria liberado o preenchimento de cargos que já foram criados por lei (mesmo que ainda não previstos em Orçamento) para instituições federais de ensino surgidas nos últimos cinco anos. E admissões na Agência Nacional de àguas (ANA), para atender a uma medida provisória enviada pelo governo ao Congresso na última terça-feira.

Estariam ainda, nessa lista, as admissões decorrentes de concurso púbico que tiveram edital publicado até 30 de junho de 2018 e venceriam em 2019, sem prazo para prorrogação.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM