Jornal do Commercio
STF

Toffoli suspende ação penal aberta por Moro contra Mantega

Em agosto, Mantega e outros acusados, entre eles João Santana e Mônica Moura, se tornaram réus em ação penal por corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro

Publicado em 13/09/2018, às 23h17

Decisão de Toffoli sobre Mantega foi tomada no dia 11 de setembro / Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
Decisão de Toffoli sobre Mantega foi tomada no dia 11 de setembro
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
ABr

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, determinou a suspensão da ação penal aberta pelo juiz federal Sérgio Moro contra o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega.

Em agosto, Mantega e outros acusados, entre eles os publicitários João Santana e Mônica Moura, se tornaram réus em uma ação penal pelos crimes de corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.

A decisão de Toffoli foi tomada no dia 11 de setembro, antes de o ministro assumir a presidência do STF, cuja posse ocorreu hoje. O ministro atendeu a um pedido feito pela defesa de Mantega.

Os advogados alegaram que a denúncia não poderia ter sido feita pela força-tarefa de investigadores da Operação Lava Jato e recebida por Moro, porque a Segunda Turma da Corte decidiu que as acusações que basearam a denúncia deveriam ser retiradas da competência do juiz e divididas entre a Justiça Eleitoral e a Federal de Brasília.



"À luz do entendimento fixado na ação paradigma, entendo, neste juízo de cognição sumária, que a decisão do Juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba/PR tentou burlar o entendimento fixado no acórdão invocado como paradigma, ao receber a denúncia do Ministério Público Federal", decidiu Toffoli.

MPF

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), três ex-diretores da empreiteira Odebrecht ofereceram vantagens ilícitas ao ex-ministro para que ajudassem na edição de uma medida provisória de interesse da empresa.

Investigação

Segundo a investigação, foram disponibilizados R$ 50 milhões em uma conta do setor de propinas da empresa, que ficou à disposição de Mantega. Parte do valor teria sido repassada aos publicitários Mônica Moura e João Santana, delatores na Lava Jato, para ser usada na campanha eleitoral de 2014.


Palavras-chave


Comentários

Por João Silva,14/09/2018

O descarado advogado do PT, começou cedo. Depois faz um discurso de tolerância. O Brasil tolera demais corrupto, ladrão, bandido. Depois queremos mudanças. Como iremos mudar se temos um STF conivente e que advoga para os bandidos do colarinho branco? Como vamos mudar se os mesmos grupos responsáveis pelo Mensalão, Petrolão, Lava-Jato, superfaturamento em diversas obras públicas (PT, PMDB, PSB, PP, PSOL, PC do B, etc) se aliam, independente de qualquer discurso proferido outrora, com o único fim de continuarem sugando nas tetas do tesouro nacional e sob o manto da impunidade dado pelo foro privilegiado. ACORDA BRASIL, já passou dá hora de uma grande mudança e não se faz mudança com os mesmos políticos.

Por haroldo,14/09/2018

Começou protegendo bandido , obstruindo a justiça e sabotando as investigações. Tipico de petralhas.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM