Jornal do Commercio
Operação Lava Jato

Palocci entrega 18 tipos de 'provas' para corroborar delação

O ex-ministro reafirmou que Lula "tinha conhecimento, desde 2007", de supostos esquemas de corrupção na Petrobras

Publicado em 12/10/2018, às 08h24

Palocci está preso desde 2016 / Foto: ABr
Palocci está preso desde 2016
Foto: ABr
Estadão Conteúdo

O ex-ministro Antonio Palocci entregou à Justiça 18 tipos diferentes de documentos - entre contratos fictícios, notas fiscais, e-mails e anotações - para corroborar sua delação premiada. Em petição ao desembargador João Pedro Gebran Neto, o ex-ministro volta a reforçar que sua colaboração premiada, homologada pelo magistrado, tem sido efetiva e que, por isso, deve receber os benefícios de um delator pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) - Corte de apelações da Operação Lava Jato.

Palocci está preso desde setembro de 2016, alvo da Operação Omertà, desdobramento da Lava Jato. O juiz Sérgio Moro condenou o ex-ministro em uma primeira ação a 12 anos e 2 meses de reclusão. Palocci pede à Corte de apelações para que sejam aplicados a ele os benefícios de uma colaboração premiada em julgamento de apelação contra a sentença de primeira instância. Entre elas, a redução da pena em dois terços. A defesa também recorre pela liberdade de Palocci.

O advogado Tracy Reinaldet, defensor do ex-ministro, ressalta que "no atual momento, diante do novo quadro processual envolvendo o acusado, resta evidenciado que o risco de reiteração criminosa se encontra absolutamente afastado". "Não obstante, além de ser ampla e sem fronteiras, a cooperação de Antonio Palocci Filho, em especial no que tange os processos e procedimentos sob a jurisdição do TRF-4, já tem se revelado efetiva e útil", sustenta.

A defesa de Palocci apresentou à Justiça "em primeiro lugar, dois contratos fictícios firmados pela empresa Projeto, cada qual com uma pessoa jurídica diferente, os quais foram utilizados para operacionalizar o pagamento de valores ilícitos a Antônio Palocci Filho", assim como "as notas fiscais inerentes a cada um dos contratos acima mencionados, as quais demonstram a entrada dos valores ilícitos na esfera patrimonial do colaborador".



Outros exemplos de documentos são e-mails trocados entre funcionários de Palocci e funcionários das empresas com as quais a Projeto manteve supostos contratos ilícitos e comprovantes de doações eleitorais oficiais, realizadas por agentes privados, "as quais foram feitas tão somente como contrapartida à atos de ofício praticados em benefício de tais pessoas físicas e jurídicas". Também foram apresentados celulares, HDs, pen drives, extratos telefônicos e documentos manuscritos.

Depoimentos

A defesa ainda afirma que o ex-ministro prestou 141 horas de depoimentos para colaborar com a operação. Nos autos de ação na Lava Jato em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é réu por supostos R$ 12,5 milhões da Odebrecht, um dos termos do acordo foi tornado público por Moro. O anexo narra um suposto loteamento de cargos na Petrobras em troca do abastecimento de campanhas políticas.

O ex-ministro reafirmou que Lula "tinha conhecimento, desde 2007", de supostos esquemas de corrupção na Petrobras. Palocci revelou que 90% das Medidas Provisórias nos governos do PT estavam relacionadas ao pagamento de propinas e ainda disse que as campanhas que elegeram a presidente cassada Dilma Rousseff, em 2010 e em 2014, custaram R$ 1,4 bilhão, valor bem acima do declarado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). As defesas de Lula e Dilma negam irregularidades.

Os demais anexos da delação de Palocci permanecem sob sigilo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Por andre,13/10/2018

Veja como são as coisas. Eduardo Cunha do MDB, sempre recebeu uma mesada de Michel Temer pra ficar calado. Já o PT deixou Palocci no esquecimento e deu no que deu. Pelo que pareci, LULINHA vai ver várias eleições no xadrez.

Por Kleber José Freire da Fonseca,12/10/2018

NÃO TEM UMA SE QUER CONTRA LULA.

Por Kleber José Freire da Fonseca,12/10/2018

A LIBERDADE TEM SEU PREÇO. TACLA DURAN QUE O DIGA, PALOCCI TERÁ QUE PROVAR QUE LULA SABIA, ESSA MESMA DELAÇÃO NÃO FOI ACEITA PELOS PROCURADORES POR QUAL CAUSA? CADÊ AS CORRUPÇÕES QUE A PF ACHOU DO PSDB DE FHC?

Por RIVALDO,12/10/2018

O PT É UMA QUADRILHA E O LULA É O CHEFE, COMO DIZ O MINISTÉRIO PÚBLICO, LULA INDICOU DILMA E AGORA HADDAD. E TEM GENTE QUE AINDA VOTO EM HADDAD. KKKKK

Por RIVALDO,12/10/2018

O PT É UMA QUADRILHA E O LULA É O CHEFE, COMO DIZ O MINISTÉRIO PÚBLICO, LULA INDICOU DILMA E AGORA HADDAD. E TEM GENTE QUE AINDA VOTO EM HADDAD. KKKKK



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM