Jornal do Commercio
Reforma da previdência

Bolsonaro nega proposta de criação de alíquota de 22% à Previdência

'Não são de nossa autoria como tentam atribuir falsamente', disse Bolsonaro sobre propostas de mudanças na Previdência

Publicado em 09/11/2018, às 11h23

Bolsonaro usou as redes sociais para negar autoria das propostas / Foto: José Cruz/Agência Brasil
Bolsonaro usou as redes sociais para negar autoria das propostas
Foto: José Cruz/Agência Brasil
ABr

O presidente eleito Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (9), nas redes sociais, que não é da sua equipe a proposta de reforma da Previdência que estabelece um aumento do tempo de contribuição para aposentadoria integral, elevando o prazo para 40 anos. Ele também negou a autoria da criação da alíquota de 22% para o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS).

“Não são de nossa autoria como tentam atribuir falsamente”, destacou.

Ao longo da semana, em que passou a maior parte dos dias em Brasília, Bolsonaro tratou do assunto com parlamentares, integrantes da equipe de transição e com o próprio presidente Michel Temer. A ideia é tentar garantir a aprovação, ainda este ano, de alguns pontos “possíveis” pelo Congresso Nacional.,

Idade mínima

O presidente eleito chegou a defender a fixação da idade mínima de 61 anos para os homens e 56 para mulheres. O economista Paulo Guedes, confirmado para o Ministério da Economia, acredita que se houver avanços até dezembro, o futuro governo pode aprofundar outras questões mais polêmicas a partir de 2019, como a que trata da idade mínima.

Em meio a dificuldades pela falta de consenso no Congresso Nacional, Bolsonaro indicou que a negociação passa por buscar a aprovação de medidas que não alterem a Constituição. Assim, fica assegurada, como consequência, a intervenção federal no Rio de Janeiro até 31 de dezembro.

Alterações da Constituição não podem ser feitas durante a decretação de estados de sítio, de defesa ou de intervenção federal.



Comentários

Por Monteiro,09/11/2018

Nesse governo só vai melhorar para os empresários, banqueiros e as muti-nacionais o povão tá é lascado.

Por Luiz Henrique de Souza Silva,09/11/2018

A solução passa pela cobrança aos grandes sonegadores ( geralmente empresários) mas o governo tem medo de chamá-los à responsabilidade. Dessa forma daqui a alguns anos estarão novamente dizendo que é preciso mais uma reforma da previdência.

Por Gilberto de Freitas,09/11/2018

TODAS ESSAS REFORMAS SÃO DE ORIGEM PETITAS E AGORA QUEREM JOGAR PRA TEMER. ACORDA

Por Gilberto de Freitas B Filho,09/11/2018

SR. LYRA, A ELEIÇÃO ACABOU, O PT NEM PARTIDO NENHUM PODE SE PERPETUAR NO COMANDO DO PAÍS. FALE TAMBÉM NO PT, OU ELES FORAM HONESTOS???

Por E qual a proposta do Bolso?,09/11/2018

Já que não sabe-se de nada sobre suas propostas para o governo, já que não debateu e ficava só atacado o outro no guia, quais são as propostas, agora que venceu, e o Brasil será morto e enterrado? Em 12 dias pós eleições é notícias ruins ou desencontradas deste senhor e sua equipe. Em que buraco jogaram o país!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM