Jornal do Commercio
ESCOLHA

Moro anuncia nomes para comandar Coaf e Senad

O futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, disse que a perspectiva do governo eleito é transferir o Coaf para a estrutura do Ministério da Justiça

Publicado em 30/11/2018, às 15h02

Segundo o futuro ministro, o objetivo da mudança é fortalecer o Coaf / Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
Segundo o futuro ministro, o objetivo da mudança é fortalecer o Coaf
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
ABr

O futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, anunciou nesta sexta-feira (30) que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) será presidido pelo auditor da Receita Federal Roberto Leonel. Atualmente, o Coaf, órgão que investiga movimentações financeiras, é vinculado ao Ministério da Fazenda. Segundo Moro, a perspectiva do governo eleito é transferir o Coaf para a estrutura do Ministério da Justiça. 

“Isso ainda vai depender de uma mudança legislativa. Conversei com todos os setores envolvidos, mas, como o Coaf é um órgão estratégico, de inteligência, prevenção à lavagem de dinheiro, nós entendemos que é oportuna a transferência dele para o Ministério da Justiça, considerando que o Ministério da Economia vai ter muitas atribuições”, disse Moro, em entrevista coletiva. 

Segundo o futuro ministro, o objetivo da mudança é fortalecer o Coaf. “Hoje, o Coaf, lamentavelmente, sofreu com a redução do corpo funcional, por questões circunstanciais. Nós acreditamos que conseguiremos, no Ministério da Justiça, melhorar a estrutura funcional”, ressaltou. 

Sergio Moro também anunciou que a Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas (Senad) será comandada pelo procurador da Fazenda Nacional, Luiz Roberto Beggiora. O futuro ministro afirmou que parte da atual estrutura tem sido “neglicenciada”. 

“A Senad tem uma função que tem sido negligenciada nos últimos tempos, que é a gestão de ativos sequestrados e confiscados do tráfico de drogas. O tráfico de drogas, todos nós sabemos, é uma atividade muito lucrativa. Os criminosos bem sabem isso, e uma das estratégias importantes para combater o tráfico de drogas é privar o criminoso do produto da sua atividade, retirar aquilo que [ele] obtém com a venda dessas drogas e com a exploração da miséria humana”, afirmou. 

Moro mencionou ainda a possibilidade de parte das atribuições da Senad ser transferida para o Ministério da Cidadania, que cuidará do tratamento de dependentes químicos. “Há uma intenção de transferir, do âmbito da Senad, a área de atendimento ao dependente químico. A Senad providencia os recursos, mas esse tratamento será desenvolvido por uma área social. Mas isso é algo que também ainda se encontra em estudo”, declarou. 



O futuro ministro afirmou ainda que o novo governo não concederá indulto natalino a condenados por crimes de menor potencial ofensivo, no que chamou de “generosidade excessiva”. O presidente eleito também abordou o tema na manhã desta sexta-feira.

“Nós respeitamos a decisão do Supremo [Tribunal Federal]. Nem precisaria dizer isso, mas o que o Supremo decidir será evidentemente respeitado. Mas, na linha do que tem dito o presidente eleito, esse é o último indulto com tão grande generosidade”, disse. “Como já afirmei, não acredito que a solução para a superlotação dos presídios seja simplesmente abrir as portas da cadeia, porque isso deixa a população vulnerável, e indultos tão generosos acabam desestimulando o cumprimento da lei”, completou.

Ações contra o terrorismo

No pronunciamento à imprensa, Sergio Moro defendeu ainda a urgência na aprovação do Projeto de Lei 10.431/2018, que dispõe sobre o cumprimento de sanções impostas por resoluções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) a acusados de terrorismo. A medida inclui ainda a indisponibilidade de ativos de pessoas ou entidades que tenham sido declaradas como terroristas pela ONU.

“É um projeto que basicamente dá a resoluções da ONU, que determinam o congelamento de ativos de organizações terroristas, força executiva”, explicou. “A ONU edita resoluções, por exemplo, estabelecendo que bens de organizações como a Al Qaeda ou o Estado Islâmico, ou outras organizações consideradas terroristas pela ONU devem ser congelados por países membros”, completou. 

Segundo Moro, a lei atenderá às determinações do Grupo de Ação Financeira Internacional (GAFI), com foco no combate à corrupção e à lavagem de dinheiro e, caso não seja aprovada até fevereiro, o Brasil pode ser suspenso do grupo.

Proposta pelo governo federal, a lei teve regime de urgência em sua tramitação aprovado na Câmara dos Deputados na semana passada. O objetivo do projeto é agilizar o bloqueio de bens e a identificação de empresas e pessoas associadas ao crime de terrorismo e à proliferação de armas de destruição em massa.


Palavras-chave


OFERTAS

Especiais JC

Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.
Mãe Guerreira Mãe Guerreira
Junto com uma criança, nasce sempre uma mãe, que enfrenta inúmeros desafios para educar, acolher e dar o melhor aos filhos. Por isso, todas elas carregam em si a força e a coragem de verdadeiras guerreiras.
JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM