Jornal do Commercio
ENTREVISTA

''Fui a favor de Lula e agora escolhi por Bolsonaro'', diz advogado que criticou STF a Lewandowski

Em entrevista ao Jornal do Commercio, o advogado Cristiano Acioli lamentou ter sido ''coagido'' pelo ministro e falou sobre suas posições políticas

Publicado em 05/12/2018, às 07h00

Cristiano se define como militante dos direitos da sociedade e apaixonado pelo Brasil / Foto: Arquivo Pessoal/Cristiano Acioli
Cristiano se define como militante dos direitos da sociedade e apaixonado pelo Brasil
Foto: Arquivo Pessoal/Cristiano Acioli
Bianca Sousa

O advogado Cristiano Caiado de Acioli, 39 anos, era mais um passageiro num voo SP–Brasília. Mas o encontro casual com o ministro do STF Ricardo Lewandowski, no avião, lhe rendeu “fama” no País. Após dizer ao juiz que a Corte é “uma vergonha”, Cristiano teve voz de prisão e ficou detido por mais de sete horas na Polícia Federal. Em entrevista à repórter Bianca Sousa, o advogado falou sobre o acontecido e suas posições políticas.

Entrevista

JORNAL DO COMMERCIO – Quem é o Cristiano?
CRISTIANO CAIADO DE ACIOLI – Tenho 39 anos e sou advogado, militante dos direitos da sociedade e apaixonado pelo Brasil. Amo cada pedaço de terra desse País e ver isso aqui melhor, é maior que tudo.

JC – Sua família te influenciou a ter caráter crítico?
CRISTIANO– Meu pai, Adalberto Acioli, era arquiteto e sempre me dizia que a maior riqueza que ele poderia me passar é andar de cabeça erguida. Minha mãe, Helenita Caiado, subprocuradora da República, e já esteve à frente do Ministério Público Federal, sempre passou para nossa família este senso de justiça. Meu irmão, Bruno Caiado de Acioli, é Procurador da República do Distrito Federal e também pegou gosto pelos ensinamentos passados por nossos pais.



JC – Com este cunho político tão presente no meio familiar, você é militante de algum partido?
CRISTIANO – Já fui filiado ao PT, fui fiscal do partido e carreguei a bandeira em época de eleição. Fui à favor de Lula; votei em Dilma, e agora escolhi por Bolsonaro. Meu posicionamento é o Brasil, meu partido é o País. Sou a favor do certo, e mesmo tendo votado em Lula nas eleições anteriores, assinei uma representação contra ele na Operação Lava Jato, juntamente com um grupo de advogados, para que fosse negado o habeas corpus que a defesa pedia.

JC – Após o ato dessa terça-feira (4), do relato sobre a vergonha que você disse sentir do STF, e depois de passar mais de sete horas detido na Polícia Federal, qual seu sentimento em relação à democracia?
CRISTIANO – Nenhum cidadão, independente de ser advogado, faxineiro, seja o que for, ninguém poderia passar por isso. O que é a democracia se a gente não pode criticar? Sinto mais vergonha do STF depois de hoje, depois de ter sido coagido por alguém que deveria proteger meu direito de falar, pois este é o papel de um juiz de Suprema Corte, é defender as leis.

JC – Entre críticas e apoios, muitos destacam você como “corajoso”. Como você se define?
CRISTIANO – Eu tenho medo de tudo. Medo de sair e de não voltar, medo de falar e ser julgado. Mas se calar é pior. Não é sobre dar um discurso ditatorial, mas um discurso harmonizador para buscar o bem comum independente de qualquer coisa. O Brasil está acima de todos. Eu falei por mim, não por todos, mas o brasileiro tem tanta coisa que tem que ser preservada, principalmente a voz, por isso não me calei. Senti na pele o que seria uma ditadura. Não sou “amigo do Rei”; me senti impotente e indefeso, mas cumpri meu papel, o de exercer o bem mais precioso, a democracia.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Glória Nicole,05/12/2018

Não concordo com a atitude do advogado. No avião o ministro do Supremo ou qualquer outra pessoa é apenas um cidadão...um passageiro e merece respeito; merece não ser agredido. Se o advogado ou quem quer que seja quer protestar tem local e ocasião apropriada. Causar situação vexamosa dentro de um avião é constrangedor e agride a todos.

Por Neli,05/12/2018

Esse pecado não carrego: jamais votei para o lula, dilma e bolsonaro. Aliás, anulei meu voto nas eleições.

Por João Bola,05/12/2018

Minuto de fama, Paulo Silva? Essa fala sua é de alguém que mama no sistema ou é concorrente deste advogado e não gosta dele. Só te digo uma coisa, pessoas como esse ministro estão onde estão e fazem o que fazem é por causa de covardias e omissões como as suas e não por causa de alguém do povo que se cansa e põe a boca no trombone. Você é como o resto do avião, covardes que não querem se comprometer e por em risco a situação de segurança precária que tem.

Por Camila,05/12/2018

Cristiano, vc foi burro já quando votou no cara mais burro e corrupto desse país. Não adianta falar mal do STF se vc fez algo pior com seu voto.

Por reginaldo,05/12/2018

Eu ainda estou procurando o motivo da prisão desse advogado? Dizer a alguém que ele é uma vergonha virou crime? não posso mais sentir vergonha de ninguém? sera porque vivemos em um país onde tudo pode e nada é proibido para eles do STF?Enfim parabéns ao advogado pois eu faria a mesma coisa !



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM