Jornal do Commercio
Direitos Humanos

Nova ministra indicada por Bolsonaro pede 'paz' entre LGBTs e conservadores

'A pauta LGBT é muito delicada, mas a minha relação com os movimentos LGBT é muito boa', disse Damares

Publicado em 06/12/2018, às 19h47

Damares Alves é a segunda mulher no gabinete de Bolsonaro / Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil
Damares Alves é a segunda mulher no gabinete de Bolsonaro
Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil
AFP

A pastora evangélica Damares Alves, anunciada nesta quinta-feira (6) como a futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos do governo de Jair Bolsonaro, assegurou que buscará a paz entre movimentos LGBT e grupos conservadores.

O anúncio foi feito em Brasília pelo futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que coordena a equipe de transição. Damares Alves é advogada e atualmente trabalha como assessora do senador Magno Malta, também pastor evangélico e um importante aliado na vitória de Bolsonaro.

Sob sua jurisdição também ficarão as políticas para as comunidades indígenas, por meio da Fundação Nacional do Índio (Funai).

"A pauta LGBT é muito delicada, mas a minha relação com os movimentos LGBT é muito boa. Eu tenho entendido que dá para a gente ter um governo de paz entre o movimento conservador, o movimento LGBT e outros movimentos", disse Damares Alves à imprensa.

Durante a sua trajetória política, Bolsonaro tem sido muito criticado pelos movimentos de pessoas lésbicas, gays, transexuais e bissexuais (LGBT) e grupos feministas por diversas declarações acusadas de ter cunho misógino e homofóbico, discurso que moderou.

Damares Alves é a segunda mulher no gabinete de Bolsonaro, depois da ministra da Agricultura, Teresa Cristina. A equipe do presidente eleito é integrada por militares, ministros economicamente liberais e moralmente conservadores.



Aborto

"Nós vamos trazer para o protagonismo políticas públicas que ainda não chegaram para as mulheres (...), propor para a nação um grande pacto pela infância, que vai ser prioridade neste governo. O maior e o primeiro direito a ser protegido é o direito à vida", assegurou. Também se definiu como contrária ao aborto.

"Nós queremos um Brasil sem aborto. Um Brasil que priorize politicas públicas e de planejamento familiar. Que o aborto não seja considerado como método anticonceptivo. O aborto apenas nos casos necessários e aqueles que estão previstos em lei. Acredito que a legislação não deve ser alterada", continuou. 

No Brasil, o aborto não é punido quando a gravidez coloca a vida da mãe em perigo, quando há malformação do feto e quando é consequência de um estupro.

Bolsonaro também tem sido crítico com algumas políticas que protegem o meio ambiente e com a demarcação de algumas terras indígenas, pois considera que, como estas leis estão feitas, afetam o crescimento econômico. A indicação do novo ministro do Meio Ambiente ainda está pendente.

Há alguns anos existe no Congresso uma proposta conhecida como PEC 215 para deixar nas mãos deste a demarcação das terras indígenas. Atualmente essa tarefa está a cargo do governo e da Funai. 

"Funai não é problema. Índio não é problema. Índio é gente e precisa ser visto como um todo, não é só terra", considerou Alves. "A demarcação é um tema delicado, polêmico, não vamos resolver agora, o novo governo vem com novas propostas" que serão debatidas com vários ministérios, como os da Saúde, Educação e Cidadania.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM