Jornal do Commercio
DOCUMENTO

Relatório do Coaf cita ex-servidora de Bolsonaro

Documento que apontou transições atípicas do ex-assessor de Flávio Bolsonaro, cita movimentações entre entre as contas dele e da filha

Publicado em 07/12/2018, às 07h45

Filha de ex-assessor é ex-servidora do então presidente eleito, Jair Bolsonaro / Foto: José Cruz/Agência Brasil
Filha de ex-assessor é ex-servidora do então presidente eleito, Jair Bolsonaro
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que apontou transações atípicas do policial militar Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-assessor do deputado estadual fluminense Flávio Bolsonaro (PSL), cita movimentações entre contas dele e de sua filha, Nathalia Melo de Queiroz.

Nathalia era, até o mês passado, assessora lotada no gabinete do deputado federal e agora presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL) Queiroz atuou como motorista e segurança de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). O filho do presidente eleito vai assumir a partir do ano que vem uma cadeira no Senado.

Conforme revelou o jornal O Estado de S. Paulo, o relatório do Coaf aponta transações anormais em uma conta em nome de Queiroz. Por ela, o então assessor movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e o mesmo mês de 2017. Uma das transações é um cheque de R$ 24 mil destinado a futura primeira-dama Michele Bolsonaro.

Nathalia é citada em dois trechos do relatório. O documento não deixa claro os valores individuais das transferências entre ela e seu pai, mas junto ao nome de Nathalia está o valor total de R$ 84 mil. A filha do PM foi nomeada em dezembro de 2016 para trabalhar como secretária parlamentar no gabinete de Bolsonaro na Câmara. No dia 15 de outubro deste ano ela foi exonerada, mesma data em que seu pai deixou o gabinete de Flávio, na Alerj. Nathalia recebeu em setembro, pelo gabinete de Jair, um salário de R$ 10.088,42.



O documento do Coaf que mapeou, a pedido do Ministério Público Federal (MPF), as movimentações financeiras dos servidores da Alerj, foi anexado na investigação que deu origem à Operação Furna da Onça, que levou à prisão 10 deputados estaduais do Rio

MPF

O MPF divulgou nesta quinta-feira (6), nota na qual afirma que o relatório foi espontaneamente difundido pelo Coaf em um processo de compartilhamento de informações entre os órgãos de investigação. "Como o relatório relaciona um número maior de pessoas, nem todos os nomes ali citados foram incluídos nas apurações, sobretudo porque nem todas as movimentações atípicas são, necessariamente, ilícitas", afirmou o MPF.

Flávio Bolsonaro usou o Twitter nesta quinta para defender o ex-funcionário. "Fabricio Queiroz trabalhou comigo por mais de dez anos e sempre foi da minha confiança", escreveu o filho do presidente eleito. "Nunca soube de algo que desabonasse sua conduta." Queiroz disse que não iria se pronunciar. Nathalia não foi localizada. Procurado, o gabinete de Jair Bolsonaro não se manifestou.

Pedido de investigação

O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), ingressou nesta quinta na procuradoria-geral da República com representação criminal pedindo para que seja instaurado procedimento de investigação para apurar "possíveis ilícitos criminais e administrativos" envolvendo o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e a futura primeira-dama da República, Michelle Bolsonaro". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Recomendados para você


Comentários

Por Sonia,07/12/2018

Serão necessárias provas mais "robustas"?

Por aldir,07/12/2018

a diferença de hoje para época do regime militar é a liberdade de manifestação e a de informação. manifestação por conta de podermos expressar nossa indignação contra tudo que não presta que aparece sem sermos vitimas de "suicídio" estatal(se é que você me entende). Liberdade de informação por canta do acesso a documentos de toda espécie, que mostram as roubalheiras e maracutaias dos poderosos. Coisas que antes ia tudo pro fogo pra não vir a publico pelos "comunistas". Uma coisa é certa: com essa família no poder não teremos mais noticia de corrupção por parte do governo. A censura tomara conta. Se soubermos de alguma coisa será contra a oposição Ao governo, do qual o governo fará questão de que seja exposta como se os único a cometerem erros fossem a oposição, enquanto o governo fosse isento de tal malfeito

Por LYRA,07/12/2018

Bom, pelo que está PINTANDO, parece que meus prognósticos estão totalmente corretos, não existe um só honesto nesta grande quadrilha que é a podre politica nacional e, não seria diferente com a família METRALHA do BOLSA NO ARO, era muito estranho esses MELIANTES serem possuidores de tantos bens, somente com o dinheiro que ganham, sem fazer nada, como deputados e vereador, alguma coisa estava errada mas, agora já começa a ser esclarecida e, é bom o MPF e a PF investigarem o destino que tomou todas as verbas que eles receberam pelo CAIXA 2, para suas campanhas deste ano. Pelo visto o DEUS BOLSA NO ARO em nada é diferente de Lula, Temer, Aécio, Renan, Jucá, Collor e dos demais políticos.

Por Carlos,07/12/2018

Saudades dos robozinhos do Bozo, elogiando a honestidade do nosso presidente eleito, por onde eles andam ? Sumiram ?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM