Jornal do Commercio
presidente eleito

Bolsonaro diz que liberará posse de arma de fogo por decreto

A declaração foi dada em sua conta pessoal no Twitter

Publicado em 29/12/2018, às 11h12

Atualmente, a posse de arma é liberada apenas para pessoas que comprovem a necessidade profissional ou ameaça à integridade física / Foto: ABR
Atualmente, a posse de arma é liberada apenas para pessoas que comprovem a necessidade profissional ou ameaça à integridade física
Foto: ABR
JC Online
Com Agência Estado

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou, neste sábado (29), que irá implementar a flexibilização da posse de arma por decreto. A declaração foi dada em sua conta pessoal no Twitter. 

Atualmente, a posse de arma (ter a arma guardada em casa ou local de trabalho) é liberada apenas para pessoas que comprovem a necessidade profissional ou ameaça à integridade física. Bolsonaro quer garantir a posse de arma de fogo para pessoas que não tenham antecedentes criminais e tornar seu registro definitivo. 

Durante sua campanha eleitoral, o presidente prometeu revogar o estatuto do desarmamento, o que exigiria aprovação do Congresso, diferentemente do decreto, que depende apenas de ação do Executivo. Bolsonaro não deu mais detalhes sobre qual será a diferença desta mudança para a atual legislação, que já permite a posse de armas de fogo. Sobre o registro, há dois anos, o presidente Michel Temer editou um decreto (Nº 8.935) que mudou de três para cinco anos o período de renovação. 



O Estatuto

O Estatuto do Desarmamento prevê dois crimes diferentes para a posse irregular e o porte ilegal de arma de fogo. Previsto no artigo 12, a posse irregular tem pena de um a três anos de prisão e multa. Já o crime de porte ilegal está previsto no artigo 14 e tem pena maior: dois a quatro anos de prisão e multa.

Declarações

Eduardo Bolsonaro, deputado federal e filho do capitão do exército, compartilhou a publicação do pai e disse que "muitas outras novidades estão por vir ainda". Eduardo aproveitou para criticar o estatuto do desarmamento e o ex-presidente Lula. "Os mensaleiros aprovaram o estatuto do desarmamento em 2003 a mando de Lula. Desde 2005 o povo pediu via referendo mudanças. Só em 2019, a custa de muito sangue inocente - em torno de 50 a 60.000 assassinatos/ano - foi eleito um presidente que vai ouvir os clamores do povo", disse.

Mudanças no Estatuto do Desarmamento podem voltar à pauta da Câmara

Programa 20 Minutos, da TV Jornal, debate violência e Porte de Armas

 

 

 





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM