Jornal do Commercio
presidente eleito

Bolsonaro diz que liberará posse de arma de fogo por decreto

A declaração foi dada em sua conta pessoal no Twitter

Publicado em 29/12/2018, às 11h12

Atualmente, a posse de arma é liberada apenas para pessoas que comprovem a necessidade profissional ou ameaça à integridade física / Foto: ABR
Atualmente, a posse de arma é liberada apenas para pessoas que comprovem a necessidade profissional ou ameaça à integridade física
Foto: ABR
JC Online
Com Agência Estado

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou, neste sábado (29), que irá implementar a flexibilização da posse de arma por decreto. A declaração foi dada em sua conta pessoal no Twitter. 

Atualmente, a posse de arma (ter a arma guardada em casa ou local de trabalho) é liberada apenas para pessoas que comprovem a necessidade profissional ou ameaça à integridade física. Bolsonaro quer garantir a posse de arma de fogo para pessoas que não tenham antecedentes criminais e tornar seu registro definitivo. 

Durante sua campanha eleitoral, o presidente prometeu revogar o estatuto do desarmamento, o que exigiria aprovação do Congresso, diferentemente do decreto, que depende apenas de ação do Executivo. Bolsonaro não deu mais detalhes sobre qual será a diferença desta mudança para a atual legislação, que já permite a posse de armas de fogo. Sobre o registro, há dois anos, o presidente Michel Temer editou um decreto (Nº 8.935) que mudou de três para cinco anos o período de renovação. 



O Estatuto

O Estatuto do Desarmamento prevê dois crimes diferentes para a posse irregular e o porte ilegal de arma de fogo. Previsto no artigo 12, a posse irregular tem pena de um a três anos de prisão e multa. Já o crime de porte ilegal está previsto no artigo 14 e tem pena maior: dois a quatro anos de prisão e multa.

Declarações

Eduardo Bolsonaro, deputado federal e filho do capitão do exército, compartilhou a publicação do pai e disse que "muitas outras novidades estão por vir ainda". Eduardo aproveitou para criticar o estatuto do desarmamento e o ex-presidente Lula. "Os mensaleiros aprovaram o estatuto do desarmamento em 2003 a mando de Lula. Desde 2005 o povo pediu via referendo mudanças. Só em 2019, a custa de muito sangue inocente - em torno de 50 a 60.000 assassinatos/ano - foi eleito um presidente que vai ouvir os clamores do povo", disse.

Mudanças no Estatuto do Desarmamento podem voltar à pauta da Câmara

Programa 20 Minutos, da TV Jornal, debate violência e Porte de Armas

 

 

 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM