Jornal do Commercio
Jerusalém

Bolsonaro disse que mudança de embaixada é questão de 'quando', afirma Netanyahu

Parlamentares, no entanto, criticam a mudança

Publicado em 30/12/2018, às 13h28

Atualmente, a embaixada brasileira fica em Israel / Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Atualmente, a embaixada brasileira fica em Israel
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

A mudança da embaixada brasileira em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém não é uma questão de "se", mas sim de "quando". A afirmação foi feita pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, ao primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, afirmou há pouco o israelense, em discurso durante encontro com a comunidade judaica, no Rio.

Os dois se reuniram no Rio na sexta-feira, primeiro dia da visita oficial de Netanyahu ao Brasil, onde acompanhará a posse de Bolsonaro, na próxima terça-feira, em Brasília.

Nos pronunciamentos públicos de sexta-feira, após um almoço e uma reunião, e num evento numa sinagoga, Bolsonaro não tocou no tema da embaixada. A transferência da representação diplomática brasileira para Jerusalém, um gesto de reconhecimento de que a cidade sagrada é a capital do Estado de Israel, foi promessa de campanha de Bolsonaro. A última fez que o presidente eleito tocou publicamente no assunto foi num post no Twitter, ainda em novembro.

Apesar do silêncio de Bolsonaro nos dois pronunciamentos de sexta-feira, Netanyahu revelou a conversa de sexta-feira. "Ele (Bolsonaro) me disse que a transferência da embaixada não era uma questão de se, mas uma questão de quando", afirmou Netanyahu

Segundo o primeiro-ministro, a declaração de Bolsonaro foi a mesma do presidente americano, Donald Trump, após ser eleito, em 2016. Os Estados Unidos mudaram sua embaixada para Jerusalém em maio último. Netanyahu permanecerá no Rio até terça, quando viaja a Brasília, para a posse de Bolsonaro.



Críticas

A intenção do presidente eleito, Jair Bolsonaro, de mudar a embaixada do Brasil em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém gerou críticas entre parlamentares de partidos ligados ao novo governo pelas redes sociais. Políticos disseram que a medida pode trazer efeitos econômicos negativos para o País e fazer com que o Brasil se torne alvo de terrorismo. A mudança, por outro lado, foi apoiada por defensores de Bolsonaro, como o senador Magno Malta (PR-ES).

"Considero grave erro da diplomacia brasileira a opção por lado na disputa árabe-israelense. Temos histórico de boas relações multilaterais e dar prioridade a um país em detrimento de outros pode trazer prejuízos econômicos, além de risco de o Brasil virar foco do terrorismo", declarou o senador Ciro Nogueira (PP-PI) em sua conta no Twitter nesse sábado (29).

O deputado Felipe Maia (DEM-RN), em resposta ao senador Nogueira na mesma rede social, comentou que "O Brasil está mexendo com uma bomba armada, além do que, o Brasil é signatário de um acordo na ONU que estabelece que a capital de Israel é Tel Aviv. Estamos chovendo no molhado".

A proposta de Bolsonaro também foi criticada pela deputada estadual eleita Janaina Paschoal (PSL-SP), integrante do partido do presidente eleito e a mais votada em São Paulo. "Já tive oportunidade de dizer que transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém é juridicamente justificável, na medida em que Israel é um Estado soberano. Porém, por razões diversas, fico feliz que o presidente eleito esteja repensando a ideia. Respeitosamente", disse Janaina, em referência a uma declaração feita pelo presidente eleito no início do mês, quando afirmou que sua equipe estava conversando sobre como tomar a melhor decisão.

Em contrapartida às ponderações, o senador Magno Malta divulgou uma série de publicações apoiando a intenção de Bolsonaro. Evangélico, Malta declarou que reconhecer Jerusalém como capital de Israel faz "justiça" ao país e é o cumprimento de uma profecia. Em um dos vídeos publicados pelo parlamentar, Malta aparece ao lado de Bolsonaro em junho deste ano afirmando que a mudança seria efetivada por Bolsonaro se ele fosse eleito. Na sexta-feira (28), nos pronunciamentos públicos após encontro com Netanyahu, Bolsonaro não tocou no tema da embaixada.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM