Jornal do Commercio
PENTE-FINO

Caso Marielle: PF suspeita que milícia tenha infiltrados em delegacia

Após depoimentos de dois delatores, ao menos oito inquéritos da DH, delegacia responsável pelo Caso Marielle, passarão por varredura da PF

Publicado em 14/03/2019, às 08h45

Delator diz que o
Delator diz que o "Escritório do Crime" paga mesada para alguns policiais interferirem nas investigações praticadas pelo grupo
Foto: Reprodução
JC Online

Depoimentos de dois delatores levantaram suspeita de que a milícia conhecida como "Escritório do Crime" conte com infiltrados dentro da Delegacia de Homicídios (DH) do Rio de Janeiro. Ao menos oito inquéritos da DH estão sob investigação da PF por determinação da Procuradoria-Geral da República (PGR), que ouviu os depoimentos. Entre eles, estão os casos relacionados ao assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, segundo informações do UOL.

Um dos delatores, o ex-PM Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, apelidado em referência ao bairro onde chefiava uma milícia no Rio, afirmou em depoimento que integrantes do Escritório pagavam uma espécie de mesada para alguns policiais da DH interferirem nas investigações sobre as execuções praticadas pelo grupo paramilitar, impedindo que chegassem aos responsáveis pelos crimes. Além de Curicica, um segundo delator afirmou que há infiltrados entre os agentes que atuam na delegacia especializada.

"Pente-fino"

Além da investigação da morte de Marielle e Anderson, o UOL confirmou que outros três casos estão sendo passando por uma varredura da Polícia Federal. São eles: o homicídio do empresário Marcelo Diotti da Mata, morto a tiros na mesma noite em que a vereadora e o motorista foram assassinados, e duas mortes de herdeiros do jogo do bicho.



Em fevereiro deste ano, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão em imóveis de pessoas citadas nas delações. Dentre eles, o ex-deputado estadual e conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Domingos Brazão, suspeito de obstruir a investigação do caso Marielle. Em março de 2017, o ex-deputado chegou a ser preso no âmbito da Operação Quinto do ouro, que apura esquema de propina no TCE do Rio.

Escritório do Crime

As investigações apontam o "Escritório do Crime" como principal grupo miliciano envolvido em crimes de assassinato sob encomenda no Rio de Janeiro. A milícia é formada por policiais e ex-policiais treinados em unidades de elite da polícia, como o Bope, da Polícia Militar. O sargento PM reformado Ronnie Lessa, preso na última terça (12) como suspeito de ter efetuado os disparos que mataram Marielle e Anderson, já foi integrante do grupo.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM