Jornal do Commercio
Notícia
vice-presidente

Mourão vai à China em busca de mercados e investimentos

Mourão vai começar sua agenda na segunda-feira (20) reunindo-se em Xangai com o presidente do Novo Banco de Desenvolvimento do Brics

Publicado em 18/05/2019, às 10h46

No encerramento de sua visita ao país asiático, Mourão será recebido pelo presidente Xi Jinping / Foto: Adnilton Farias / VPR
No encerramento de sua visita ao país asiático, Mourão será recebido pelo presidente Xi Jinping
Foto: Adnilton Farias / VPR
AFP

O vice-presidente Hamilton Mourão chega no domingo (19) a Pequim em busca de investimentos e novos mercados, em meio às tensões comerciais entre a China, o maior parceiro comercial do Brasil, e os Estados Unidos, principal aliado do governo de Jair Bolsonaro.

Mourão vai começar sua agenda na segunda-feira reunindo-se em Xangai com o presidente do Novo Banco de Desenvolvimento do Brics, bloco dos países emergentes, que em novembro vai celebrar uma cúpula no Brasil, e na quinta-feira chefiará ao lado do contraparte chinês,  Wang Qishan, o quinto encontro da comissão de cooperação bilateral Cosban.

No dia seguinte, no encerramento de sua visita ao país asiático, Mourão será recebido pelo presidente Xi Jinping, a quem entregará uma carta de Bolsonaro.

"Vamos procurar passar uma mensagem política do presidente Bolsonaro ao governo chinês e ao mesmo tempo comunicar o nosso posicionamento em relação à iniciativa Belt and Road [Novas Rotas da Seda]", um faraônico programa de infraestruturas impulsionado pela China, disse Mourão em entrevista esta semana à TV Brasil.

O encontro deve preparar o caminho para a visita do presidente brasileiro à China no segundo semestre e ajudar a dissipar o mal-estar criado desde a campanha eleitoral, quando o então candidato afirmou que a segunda economia mundial estava "comprando o Brasil".

Equilíbrio entre potências

O Brasil busca precisamente atrair novos investimentos - principalmente em infraestrutura para transporte e energia - e vender mais alimentos brasileiros, sem comprometer sua nova aproximação com os Estados Unidos.

Em março, Bolsonaro fez sua primeira visita oficial a Washington e conseguiu que Donald Trump, de quem se diz admirador, indicasse o Brasil como aliado preferencial extra Otan.

Meses antes, setores da ala mais radical do governo criticaram uma delegação de parlamentares brasileiros que visitou a China, um país que continuam vendo como ameaça comunista.

Mourão, general da reserva que em vários momentos atuou como moderador destas forças, parece ter a missão de apaziguar estes atritos.



A tarefa exigirá destreza.

"Em linguagem militar é o que nos chamamos de dispositivo de expectativa, a China e os Estados Unidos disputam o mercado mundial, existe uma guerra comercial entre ambos países em curso (...) e o Brasil tem que saber aproveitar melhor essos momentos", declarou.

"Temos um vínculo com os Estados Unidos (...) mas por outro lado, devemos ter um pragmatismo para entender a importância da China para o desenvolvimento econômico do Brasil", afirmou.

O poderoso setor exportador brasileiro vê com preocupação qualquer ameaça ao seu principal mercado.

O Brasil registra há nove anos um consistente superávit comercial com a China, para onde vende principalmente produtos primários (soja e minério de ferro).

O excedente foi de quase 30 bilhões de dólares em 2018, com exportações que alcançaram os US$ 64,2 bilhões (+35% com relação a 2017) e importações de US$ 34,7 bilhões (+27%), de acordo com dados oficiais brasileiros.

As vendas para a China representaram 27% do total do faturamento externo da principal economia latino-americana.

Nos quatro primeiros meses deste ano, o Brasil acumulou um excedente de US$ 6,5 bilhões no comércio bilateral. Os investimentos chineses também foram um importante salva-vidas para o Brasil nos últimos anos, marcados por recessão e fraco crescimento.

No final de 2018, o estoque de investimentos chineses no Brasil totalizava 69 bilhões de dólares em 155 projetos, principalmente em setores de energia, infraestruturas portuária e ferroviária e financeira.

Segurança alimentar

O governo vê, inclusive, nichos para ampliar as exportações brasileiras de carnes de frango e porco, em um momento em que a China lida com uma epidemia de febre suína. E também acredita que o Brasil pode ampliar suas vendas de frutas e laticínios.

"A China tem uma questão muito séria que é a questão da segurança alimentar, e o Brasil tem uma capacidade extraordinária de produção de alimentos, então é essa estratégia que nós temos que traçar", afirmou.

O Brasil também busca conquistar sua fatia em mercados mais sofisticados, como o aeronáutico, com os aviões da Embraer.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM