Jornal do Commercio
Carta

Paulo Câmara e mais 13 governadores assinam carta contra decreto de armas

Agora, o documento será encaminhado para o Palácio do Planalto

Publicado em 21/05/2019, às 12h10

Paulo Câmara foi um dos que assinaram a carta / Foto: Diego Nigro/Acervo JC Imagem
Paulo Câmara foi um dos que assinaram a carta
Foto: Diego Nigro/Acervo JC Imagem
Da Editoria de Política

Na onda contra o decreto da última semana, do presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobre as mudanças que ampliam o direito de porte e posse de armas, governadores de 14 estados, incluindo Pernambuco, assinaram uma carta nesta terça-feira (21), em que reivindicam a revogação do projeto. No documento, os gestores pedem que os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União "atuem tanto para sua imediata revogação como para o avanço de uma efetiva política responsável de armas e munição no País". 

Além de Paulo Câmara (PSB), assinaram oito governadores do Nordeste (Piauí, Maranhão, Ceará, Paraíba, Bahia, Rio Grande do Norte, Sergipe) e gestores do Distrito Federal, do Amapá, do Tocantins, do Pará e do Espírito Santo. Segundo assessoria do pernambucano, a carta será enviada ao Planalto. 

Pontos destacados

Na carta, os gestores reforçam a importância de melhorar a segurança pública, mas ressaltam a implementação de "ações que melhorem a rastreabilidade das armas de fogo e munições durante toda a sua existência, desde sua produção".

"Sabemos que a violência e a insegurança afetam grande parte da população de nossos estados e que representam um dos maiores obstáculos ao desenvolvimento humano e econômico do Brasil. Por essa razão, é urgente a implementação de ações que melhorem a rastreabilidade das armas de fogo e munições durante toda a sua existência, desde sua produção. Também é fundamental aumentar os meios de controle e fiscalização para coibir os desvios, enfrentar o tráfico ilícito e evitar que as armas que nascem na legalidade caiam na ilegalidade e sejam utilizadas no crime", diz um trecho da carta.  

Os governadores também contaram que o novo decreto facilitará o aumento "dos riscos de que discussões e brigas entre nossos cidadãos acabem em tragédias".

Confira a carta na íntegra:

Carta dos Governadores sobre o Decreto Presidencial n. 9.785 (07 de maio de 2019) e a Regulação Responsável de Armas e Munições no País:



Como governadores de diferentes estados do país, manifestamos nossa preocupação com a flexibilização da atual legislação de controle de armas e munições em razão do decreto presidencial n. 9.785 (07 de maio de 2019) e solicitamos aos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União que atuem tanto para sua imediata revogação como para o avanço de uma efetiva política responsável de armas e munição no país.

Sabemos que a violência e a insegurança afetam grande parte da população de nossos estados e que representam um dos maiores obstáculos ao desenvolvimento humano e econômico do Brasil. Nesse contexto, a grande disponibilidade de armas de fogo e munições que são usadas de maneira ilícita representa um enorme desafio para a segurança pública do país e é preciso enfrentá-lo.

Por essa razão, é urgente a implementação de ações que melhorem a rastreabilidade das armas de fogo e munições durante toda a sua existência, desde sua produção. Também é fundamental aumentar os meios de controle e fiscalização para coibir os desvios, enfrentar o tráfico ilícito e evitar que as armas que nascem na legalidade caiam na ilegalidade e sejam utilizadas no crime.

Reconhecemos que essas não são soluções mágicas, mas são condições necessárias para a melhoria de nossa segurança pública. Diante deste cenário, e a partir das evidências disponíveis, julgamos que as medidas previstas pelo decreto não contribuirão para tornar nossos estados mais seguros. Ao contrário, tais medidas terão um impacto negativo na violência - aumentando por exemplo, a quantidade de armas e munições que poderão abastecer criminosos - e aumentarão os riscos de que discussões e brigas entre nossos cidadãos acabem em tragédias.

As soluções para reverter o cenário de violência e insegurança no país serão fortalecidas com a coordenação de esforços da União, Estados e Municípios para fortalecer políticas públicas baseadas em evidências e para implementar o Plano Nacional de Segurança Pública e Defesa Social, fortalecendo a prevenção focalizada nas populações e territórios mais afetados pela violência e a repressão qualificada da criminalidade.

Reforçamos nosso compromisso com o diálogo e com a melhoria da segurança pública do país. Juntos, podemos construir um Brasil seguro para as atuais e futuras gerações.

Recomendados para você




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM