Jornal do Commercio
Ministro

Moro diz não ter gostado de mudança no Coaf, mas avalia que veto de Bolsonaro não parece viável

Câmara aprovou nessa quarta-feira (22) mudança do órgão para o ministério da Economia

Publicado em 23/05/2019, às 09h09

Moro está no Recife para ministrar palestra sobre combate à corrupção / Bobby Fabisak/JC Imagem
Moro está no Recife para ministrar palestra sobre combate à corrupção
Bobby Fabisak/JC Imagem
JC Online
Com informações de Felipe Vieira

No Recife para ministrar palestra sobre o combate à corrupção, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, repercutiu a decisão da Câmara dos Deputados de tirar o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) da sua tutela, transferindo-o para o Ministério da Economia. Moro admitiu que a decisão não o agrada, mas que respeita os parlamentares. Também declarou que não acha que seja viável um veto do presidente Jair Bolsonaro.

"Me parece que nesse ponto não seria viável um veto. A medida provisória modifica a legislação atual. Então, com a mudança da legislação, volta a vigorar a legislação anterior, que estabelecia a localização do Coaf na Fazenda. Não me parece ser possível um veto, mas é algo a ser avaliado", disse Moro.

A mudança ocorreu nessa quarta-feira, na Câmara dos Deputados, durante análise da medida provisória 870, que trata da reforma administrativa do governo Bolsonaro. O placar que tirou o Coaf da Justiça e mandou para Economia ficou em 228 e 210.




Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

Sobre a votação, o ministro reiterou o respeito à Câmara. "Faz parte, o governo fez uma proposta legislativa e ela foi colocada no Congresso. Houve votação e ,por maioria apertada, se decidiu pela volta do Coaf para o Ministério da Economia. Embora não tenha gostado evidentemente da decisão, nós respeitamos o Parlamento", comentou.

INTEGRAÇÃO

Apesar da mudança do Coaf, Moro reforçou que o órgão vai continuar com suas atividades de investigação. "Importante destacar que, embora o Coaf retorne para a economia, ele vai continuar fazendo o trabalho que ele sempre realizou, que é o trabalho de inteligência e prevenção à lavagem de dinheiro, que é extramente relevante para fins de prevenção e combate ao crime organização e identificação de patrimônio criminoso. Então a política de integração continua ainda que fique em outra pasta", finalizou.

Recomendados para você




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM